Tensão entre países do G7 alivia. Wall Street avança

As ações norte-americanas terminaram a semana em alta, com os títulos dos setores de cuidados de saúde e de bens de consumo a destacarem-se pela positiva. Nota negativa para a Apple.

As bolsas norte-americanas entraram na última sessão da semana no vermelho, mas acabaram por inverter de rumo, com o alívio da tensão entre os países do G7 a ditar um fecho positivo em Wall Street.

O S&P 500 valorizou 0,31%, para os 2.778,97 pontos, animado pelos ganhos dos títulos do setor de cuidados de saúde, mas também de bens de consumo. Já o Dow Jones e o Nasdaq somaram 0,3% e 0,14%, respetivamente, para os 25.316.53 e 7.645,51 pontos.

Os investidores terão deixado de lado as preocupações relativamente às relações dos EUA com os seus maiores parceiros comerciais depois de o presidente dos EUA, Donald Trump, ter chegou ao Canadá nesta sexta-feira para o que era esperado ser uma tensa reunião com outros líderes dos países que integram o G7.

O presidente francês, Emmanuel Macron, e Donald Trump, que trocaram trocaram mensagens antes da reunião da cúpula do G7 tiveram uma “muito cordial” discussão sobre comércio e a Coreia do Norte, disse um representante francês.

“Os investidores não estão realmente a negociar com base nas grandes notícias do dia que é o G7”, disse Katrina Lamb, responsável pela estratégia de investimento e de research da MV Financial, citada pela Reuters. “Esse tema vai ser relevante em algum momento. A ótica do G7 por si só é algo que deve preocupar as pessoas, mas em termos do efeito prático imediato, provavelmente não muito”, acrescentou.

Entre as cotadas norte-americanas que mais sobressaíram pela positiva, destaque para a Procter & Gamble, que deu seguimento aos ganhos da sessão anterior. As suas ações somaram perto de 2%. No setor da saúde, referência para a Allergan, cujos títulos avançaram 4%.

Nota negativa para a Apple que viu as suas ações recuarem perto de 1%, depois de ter anunciado que pretende produzir 80 milhões de novos modelos de iPhone, o que representa uma quebra de 20% relativamente ao que tinha planeado no ano passado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tensão entre países do G7 alivia. Wall Street avança

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião