Microsoft deitou “por água abaixo” o novo centro de dados. Mas foi só para arrefecê-lo

  • ECO
  • 8 Junho 2018

O data center está mergulhado a mais de 30 metros abaixo do nível do mar, com o objetivo de utilizar as águas frias do Mar do Norte para diminuir os custos com o arrefecimento.

O projeto-piloto Natick, da Microsoft, está mergulhado a mais de 30 metros abaixo do nível do mar, a 22 quilómetros da costa, e pretende descobrir se é possível aumentar o nível de eficiência energética e reduzir o custo do arrefecimento, associados aos centros de dados tradicionais.

De acordo com a Microsoft, o Natick vai “investigar a fabricação e o funcionamento de unidades de centro de dados sustentáveis do ponto de vista ambiental”. Pretende-se averiguar se estes centros podem ser energeticamente autossuficientes, de modo a colocarem-se em qualquer parte do oceano e fornecerem serviços de nuvem para regiões com um fornecimento de eletricidade não confiável.

A ideia é, também, aproximar os centros de dados das populações, já que mais de metade da população mundial vive a cerca de 190 quilómetros do mar. Assim, os servidores estarão mais perto dos usuários e proporcionar-lhes-ão maior velocidade. “É um conjunto de processos muito louco (…) e o Natick está a tentar concretizá-los”, disse Peter Lee, vice-presidente da Microsoft AI Research, o departamento da empresa dedicado à investigação e inteligência artificial.

Segundo a BBC, o centro de dados com 864 servidores vai ser acolhido na unidade de investigações de Orkney, na Escócia, por este ser o maior centro de estudos do mundo na área das energias renováveis. A Microsoft já tinha instalado um centro de dados semelhante a este, embora mais pequeno, nas águas da Califórnia. No entanto, só foi testado durante 105 dias, ao contrário do Natick, que foi desenhado para funcionar durante cerca de cinco anos, sem precisar de manutenção.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Microsoft deitou “por água abaixo” o novo centro de dados. Mas foi só para arrefecê-lo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião