Autoeuropa vai voltar a negociar horários com trabalhadores

  • ECO
  • 7 Junho 2018

O diálogo entre as duas partes será retomado ainda este mês e deverá, assim, ser evitada uma greve ao trabalho extraordinário na fábrica que produz os modelos da Volkswagen.

A administração da Autoeuropa vai voltar a negociar com a comissão de trabalhadores os novos horários na fábrica de Palmela. A decisão foi tomada depois de uma reunião os trabalhadores com a equipa de gestão da Autoeuropa, liderada por Miguel Sanches. O diálogo entre as duas partes será retomado ainda este mês e deverá, assim, ser evitada uma greve ao trabalho extraordinário na fábrica que produz os modelos da Volkswagen, entre eles o T-Roc.

A reunião aconteceu depois de os trabalhadores da Autoeuropa terem entregado um abaixo-assinado à administração, com vista à reabertura das negociações sobre o regime de laboração contínua, imposto unilateralmente pelos gestores da fábrica de Palmela.

Os trabalhadores exigem uma maior compensação por este novo regime, que deverá entrar em vigor a partir de agosto, estando em causa a criação de 19 turnos semanais na Autoeuropa. Os horários definidos pela administração preveem trabalho ao fim de semana e trabalho noturno nos dias de semana.

Em cima da mesa estava ainda a hipótese de os 5.700 funcionários da fábrica de Palmela se juntarem ao protesto agendado pela CGTP em Lisboa, para o dia 9 de junho. Em nota enviada às redações, a comissão de trabalhadores diz mesmo que chegou a acordar com os três sindicatos representativos da empresa a “emissão de pré-avisos de greve ao trabalho extraordinário como resposta à falta de vontade de negociar por parte da administração”.

Com a reabertura das negociações, esse protesto estará, para já, colocado de parte.

(Notícia atualizada às 14h38 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Autoeuropa vai voltar a negociar horários com trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião