Autoeuropa: Os acordos que marcam quase um ano de tumulto

  • Marta Santos Silva
  • 3 Junho 2018

As diferenças na Autoeuropa começaram no verão do ano passado. Perante a mais recente proposta da administração para novos horários, os trabalhadores poderão voltar a fazer greve.

A Autoeuropa foi durante muitos anos o exemplo paradigmático de um diálogo bem-sucedido entre as estruturas dos trabalhadores, representados por uma comissão eleita, e a administração da empresa, num modelo que a Volkswagen cultiva nas suas fábricas por todo o mundo. No verão passado, porém, o conflito começou a estalar na fábrica de Palmela, e sucederam-se os acordos chumbados e as mudanças na Comissão de Trabalhadores.

Agora, a administração tem uma nova proposta que já fez alguns trabalhadores expressar o seu descontentamento. O que implica esta proposta, e qual o caminho que foi trilhado até agora?

Linha de montagem da fábrica Volkswagen em Palmela.

A Autoeuropa, num comunicado interno enviado aos trabalhadores ao qual o ECO teve acesso, afirma que um novo horário com 19 turnos semanais, — ou seja, em regime de laboração contínua com trabalho ao fim de semana e trabalho noturno nos dias de semana, — será implementado após o encerramento anual da fábrica em agosto. “As quatro equipas de trabalho já estão identificadas e as cartas com os respetivos turnos serão entregues até ao final da próxima semana”, acrescenta o comunicado.

Não é a primeira proposta que os trabalhadores da Autoeuropa veem com descontentamento no último ano. Quando o horário de trabalho foi alargado para incluir os sábados, no início de 2018, a alteração teve de acontecer sem o aval dos trabalhadores, já que os pré-acordos atingidos com duas CT diferentes foram rejeitados em referendo.

A administração optou por dar início, em fevereiro, a um horário de trabalho que incluía o sábado mas mantinha o domingo como folga garantida. Além disso, haveria uma folga rotativa adicional por semana, que seria consecutiva ao domingo uma vez a cada dois meses, além de se garantirem quatro fins de semana completos de folga a cada dois meses.

Depois de agosto, quando se iniciará um novo horário intitulado AE19, a administração anunciou no comunicado enviado aos trabalhadores que o domingo passará, como já se previa, a ser um dia de trabalho, começando a laboração contínua. Em contrapartida, a cada quatro semanas há a garantia de dois fins de semana completos, e ainda de uma folga semanal adicional. As duas folgas semanais serão consecutivas, acrescenta ainda a direção da empresa.

Atualmente, de acordo com o modelo que entrou em vigor em fevereiro, quem trabalhe ao sábado recebe um prémio adicional de 25% do pagamento diário por cada dia trabalhado, que é pago trimestralmente de acordo com o cumprimento do volume previsto para o trimestre.

A partir de agosto, propõe a administração no comunicado enviado, o prémio de 25% pago trimestralmente passa a ser por cada dois turnos de fim de semana trabalhados (ou seja, um sábado e domingo, ou dois sábados), e acrescenta-se o pagamento, no final do mês, de uma diária adicional por cada dois turnos ao fim de semana que o trabalhador tenha cumprido.

Alguns trabalhadores já manifestaram o seu desagrado perante o comunicado da administração. O sindicato SITE-Sul, que tem estado próximo dos trabalhadores da Autoeuropa e ao qual são filiados alguns dos membros da Comissão de Trabalhadores, assinalou no seu próprio comunicado que os trabalhadores podem, se assim entenderem, fazer greve no dia 9 de junho, visto que a federação sindical do setor já emitira um pré-aviso de greve para esse dia.

E os salários?

O acordo salarial negociado pela Comissão de Trabalhadores e aprovado com 73% dos votos na empresa vigorará até ao final de 2018. Para 2019, poderá ser negociada uma nova proposta.

Quando o acordo foi aprovado em fevereiro, os trabalhadores viram um aumento de 3,2%, com um mínimo de 25 euros para os salários que não alcançassem esse valor com um aumento da percentagem definida. O acordo incluiu ainda prémios entre os 100 e os 200 euros pela produtividade, atribuídos em abril, entre dois e três dias extra de descanso em 2018, e a integração nos quadros de 250 trabalhadores com contratos a termo até ao final do ano.

Além disto, as tabelas salariais foram alteradas, removendo os escalões mais baixos de entrada. Isto significa que um operário que antes entraria para a empresa no nível A0, a ganhar 660 euros de salário base bruto, passou a entrar diretamente para o escalão A, cujo salário base é de 715 euros. Também houve alterações para os especialistas, que serão admitidos diretamente no segundo nível de integração.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Autoeuropa: Os acordos que marcam quase um ano de tumulto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião