Esta vai ser a semana mais importante do ano na economia

  • ECO
  • 10 Junho 2018

Vão ser cinco dias úteis marcados por eventos com poder para influenciar os mercados financeiros e a economia mundial. Veja a agenda preparada pela Bloomberg.

A semana que agora se inicia deverá ser a mais importante do ano em termos económicos. Há pelo menos um evento por dia com potencial impacto económico em grande escala, ainda que, por cá, a capital portuguesa pare para o feriado dos Santos Populares, que decorre na próxima quarta-feira.

Esta semana foi eleita pelos clientes do Bank of America como a que mais impacto terá na economia mundial durante todo o ano, escreve a Bloomberg (acesso condicionado). “Cada dia tem potencial de mexer com os mercados financeiros e toldar as perspetivas de crescimento global, depois dos sinais de que a economia abrandou no primeiro trimestre”, indica a agência. Saiba porquê.

Segunda-feira, 11

Este será o dia em que os investidores terão a primeira oportunidade de negociar nos mercados financeiros já com o sentimento instalado após o encontro dos líderes mundiais do G7. A reunião ficou marcada pelas tensões comerciais entre os vários países, com ameaças do Presidente Donald Trump na reunião e no Twitter e com a sugestão final de criação de uma zona livre de comércio.

Terça-feira, 12

Será um dia histórico. É para esta terça-feira que está marcada a cimeira entre os líderes dos Estados Unidos e da Coreia do Norte, que têm tido um comportamento hostil de parte a parte. Donald Trump e Kim Jong-un têm encontro marcado em Singapura e os investidores vão estar atentos a potenciais desenvolvimentos nas relações entre as duas nações. Sabe-se que o Presidente norte-americano deverá instar Kim Jong-un a não prosseguir com as ambições de armamento nuclear.

Como aponta a Bloomberg, é também o dia em que a legislação do Brexit regressa para ser votada na Câmara dos Comuns, depois de ter sido alterada 15 vezes na Câmara dos Lordes.

Quarta-feira, 13

Esta quarta-feira, 13 de junho, é o dia em que se espera que a Reserva Federal (Fed) dos Estados Unidos suba as taxas de juro pela segunda vez este ano. Jerome Powell deverá dar uma conferência de imprensa e divulgar projeções às quais os investidores irão estar atentos, na expectativa de encontrarem indícios que lancem alguma luz sobre o que a Fed poderá fazer nas próximas reuniões.

Quinta-feira, 14

Os responsáveis do Banco Central Europeu (BCE) vão reunir nesta quarta-feira. Numa altura em que o programa de compra de ativos entra na reta final, este será o primeiro encontro para discutir a data e a forma de terminar o quantitative easing. Numa sondagem realizada pela Bloomberg, um terço dos economistas inquiridos considera que este é o dia em que Mario Draghi vai revelar a data do fim do programa.

Neste dia, o Presidente russo Vladimir Putin vai também reunir com o príncipe árabe Mohammed bin Salam, ao abrigo do arranque do Mundial de futebol. Este encontro ganha ainda mais relevância pois acontece uma semana antes de se realizar uma reunião crítica dos países da OPEP. Os dois líderes poderão chegar a um consenso acerca do ritmo de produção de petróleo, o que poderá ter impacto no preço da matéria-prima.

Sexta-feira, 15

Esta é a data limite para os Estados Unidos revelarem a lista de produtos chineses sujeitos às novas tarifas de 50 mil milhões de dólares. A avançar, as tarifas poderão entrar em vigor pouco tempo depois, segundo a Bloomberg, o que poderá desencadear ou acelerar uma guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo. É ainda o dia em que o banco central russo atualiza os juros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Esta vai ser a semana mais importante do ano na economia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião