OCDE defende avaliação de professores para detetar e melhorar falhas

  • Lusa
  • 11 Junho 2018

Relatório mostra que avaliação de professores com o objetivo de detetar e melhorar as suas falhas é uma das políticas aplicadas nos países onde os alunos conseguem ter melhores resultados escolares.

A avaliação de professores com o objetivo de detetar e melhorar as suas falhas é uma das políticas aplicadas nos países onde os alunos conseguem ter melhores resultados escolares, revela um relatório da OCDE divulgado esta segunda-feira.

O estudo da OCDE – “Effective Teacher Policies” – analisou as políticas de desenvolvimento profissional dos professores para tentar descobrir quais as medidas que podem fazer a diferença.

Entre as estratégias aplicadas em 72 países e economias analisados, os investigadores encontraram três pontos comuns nas políticas dos países com melhores desempenhos.

Criar “mecanismos de avaliação de professores com um forte foco no seu desenvolvimento contínuo” é uma das medidas apontadas no estudo.

Para os jovens que se iniciam na carreira é preciso um “período obrigatório e prolongado de prática” durante a formação inicial, segundo o estudo, que defende ainda a necessidade de existir formação continua e variada ao longo da vida.

A OCDE defende ainda que os professores mais experientes podem apoiar os mais jovens “nas tarefas mais desafiadoras” e que devem existir ações “de desenvolvimento profissional sob medida”, para que os docentes tenham as habilidades necessárias para conseguir trabalhar, em especial, nas escolas mais desafiantes.

Sublinhando que os professores são a peça chave para o sucesso dos alunos, a OCDE lembra que é preciso criar condições para que consigam fazer o seu trabalho.

Numa tentativa de perceber como é que os professores podem afetar a equidade do sistema educativo, os investigadores concluíram que os docentes com mais formação e experiência devem estar “nas escolas e salas de aulas mais desafiadoras”.

No entanto, na maioria das escolas mais problemáticas estão os professores mais jovens e com menos experiência, uma situação que é preciso inverter dando incentivos aos que aceitam trabalhar com aqueles alunos.

Aumentar os salários dos docentes que dão aulas em escolas remotas ou problemáticas ou reduzir-lhes o horário de trabalho são algumas das práticas aplicadas em países como a Austrália, Inglaterra, França, Alemanha, Suécia ou Estados Unidos da América.

em Portugal não existem políticas de discriminação positiva para quem aceita estes desafios. Resultado: As escolas mais desafiantes acabam por ser aquelas que têm mais professores jovens, com menos formação e com mais contratos a termo.

A idade dos docentes é importante para o sucesso académico dos alunos, segundo o relatório que ao analisar a situação em 25 países da OCDE concluiu que nas turmas com professores com mais de 30 anos houve uma redução das taxas de reprovação.

Portugal e França são precisamente os países com as taxas de reprovação mais elevadas, apesar de terem vindo a reduzir essa percentagem, segundo dados que compararam a situação vivida em 2005 e em 2015.

Para ter bons professores é preciso atrair os melhores alunos para a profissão, mas os dados da OCDE mostram outra realidade: Apenas 4,2% dos alunos de 15 anos dos países da OCDE tinham como plano futuro ser professor, sendo que é nos países onde os salários dos docentes são mais altos que se encontram mais jovens a querer seguir aquela carreira.

Em Portugal, apenas 1,3% dos jovens que desejam prosseguir estudos no ensino superior têm como objetivo seguir a profissão de professores, ficando assim entre os 13 países com uma taxa abaixo de 1,5%, juntamente com a Letónia, Canada, Dinamarca, Albânia, Colômbia, República Dominicana, Estónia, Indonésia, Jordânia, Peru, Qatar e Emiratos Árabes Unidos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OCDE defende avaliação de professores para detetar e melhorar falhas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião