Governo francês vai proibir telemóveis nas escolas

A medida vai abranger o ensino básico e secundário e as escolas vão poder decidir a melhor forma de a aplicar.

O Ministério francês da Educação aprovou esta quinta-feira uma “interdição efetiva” que proíbe os alunos de levarem telemóveis para a escola. O Governo defende esta medida como sendo um “sinal para a sociedade”, de acordo com o jornal Le Monde (conteúdo em francês).

A partir do próximo ano letivo, todos os alunos do ensino básico e secundário vão ter de deixar os telemóveis em casa. A proposta de lei foi aprovada com os votos a favor dos partidos A República em Marcha (LRM), de Emmanuel Macron, do Movimento Democrático (MoDem) e da União dos Democratas e Independentes (UDI). Para os restantes partidos, esta proposta é “inútil” e “uma simples operação de comunicação”.

De acordo com o jornal francês, o ministro da Educação, Jean-Michel Blanquer, referiu uma “lei do século XXI” e uma “medida de desintoxicação”, que irá combater a distração nas salas de aula e também o “bullying“. “Estar aberto às tecnologias do futuro não significa aceitá-las para todos os efeitos”, disse. Por sua vez, o ministro da Justiça, François Bayrou, referiu ainda o aumento dos roubos de telemóveis e a obsessão com as marcas da moda.

Sobre esta nova lei, as escolas terão poder para decidir a forma como aplicá-la, podendo optar por colocar os telemóveis em bolsas específicas dentro das mochilas, podendo estes ser acedidos em casos mais urgentes, ou então proibi-los totalmente, sob a pena de sanções.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo francês vai proibir telemóveis nas escolas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião