Depois da greve dos camionistas, Temer tenta puxar pela economia

  • Lusa
  • 13 Junho 2018

O presidente brasileiro anunciou hoje novas medidas para tentar dinamizar a economia do país, que ainda não conseguiu consolidar a recuperação.

O presidente brasileiro, Michel Temer, anunciou hoje novas medidas para tentar dinamizar a economia do país, que ainda não conseguiu consolidar a recuperação, apesar de 2017 ter marcado o fim de dois anos de recessão.

Michel Temer avançou que o Governo decidiu disponibilizar o acesso a fundos complementares da reforma, que até agora só era permitido depois dos 60 anos, o que poderá implicar a entrada de montante até 34 mil milhões de reais (7,8 mil milhões de euros) na economia nacional.

“São valores importantes” que podem “ajudar a melhorar a vida das pessoas”, declarou o presidente brasileiro durante o anúncio das medidas no palácio presidencial do Planalto.

Michel Temer realçou que “são recursos dos próprios trabalhadores”, que, assim, “podem fazer uma reforma na sua casa, aumentar o consumo” e, desse modo, contribuir para a dinamização da atividade económica.

Em 2017, a economia brasileira cresceu 1%, depois de uma recessão acentuada que custou ao país uma queda de sete pontos percentuais no Produto Interno Bruto (PIB) em 2015 e 2016.

No entanto, embora os analistas e o Governo estimassem um crescimento de cerca de 3% este ano, as previsões foram corrigidas em baixa nos últimos meses e o setor privado planeia agora a sua atividade a partir de uma expansão de apenas 1,9% em 2018.

A revisão das previsões foi justificada com os efeitos das turbulências nos mercados de divisas, que causaram uma acentuada desvalorização do real, assim como a incerteza no país relacionada com as eleições de outubro para escolher um novo presidente.

O impacto da greve dos camionistas, que paralisou o país durante 11 dias em maio e que, segundo cálculos do Governo, causou prejuízos de 15,9 mil milhões de reais (3,6 mil milhões de euros), também contribuiu para aquela situação.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois da greve dos camionistas, Temer tenta puxar pela economia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião