Uma espécie de mediador entre máquinas e humanos? Sim, é uma das profissões do futuro em Portugal

  • ECO
  • 13 Junho 2018

Motivado pela revolução digital, o mercado de trabalho está a mudar. Técnico de relações entre máquinas e humanos e fiscal da vida online e real são algumas das profissões do futuro em Portugal.

“Vamos roubar os vossos empregos”. A frase é conhecida e deixou vários humanos aterrorizados. Foi proferida em Lisboa, durante o último Web Summit, por um robô. Ou melhor dizendo, por uma robô, a Sophia. Ela fala, tem aparência humana, aprende rápido e tornou-se a primeira máquina com cidadania num país, é cidadã da Arábia Saudita desde o ano passado.

Robôs como a Shopia, cada vez mais humanóides e inteligentes, já estão no mundo do trabalho. Agora um pouco solitários, mas num futuro próximo estarão rodeados por vários colegas semelhantes a eles. Estes novos empregados vão destruir postos de trabalho, mas vão nascer por todo o mundo outras profissões e essas terão de ser desempenhadas por humanos. Algumas vão pôr humanos a fazer a ponte entre outros humanos e as máquinas. Outras vão deixar os humanos do lado dos robôs para defendê-los sempre que for preciso.

Interessada no futuro do mercado de trabalho, a Kjaer Global, uma consultora internacional que trabalha para multinacionais como o BBVA, a Accenture ou a Sony, elaborou um conjunto de projeções sobre os novos postos de trabalho que surgirão em diferentes países europeus, como resposta àqueles que os robôs destruirão. O “New Renaissance Hotspots”, elaborado pela fabricante de telemóveis Huawei e pelo Institute of Arts and Ideas, em Londres, adicionou a estas projeções uma estudo que confirmou que a nova era, digital e tecnológica, oferece a todo o mundo a capacidade de ser digitalmente criativo.

Estamos a entrar numa era em que todo o mundo tem potencial para criar e expressar-se”, concluiu a investigação. Reinventar profissões e pensar noutras que há uma década não fariam sentido faz parte dessa criatividade.

Técnico de relações? Sim, em Portugal

Para a Huawei e o Institute of Arts and Ideas, o futuro está nas relações e, por isso, fará todo o sentido surgir um profissional especializado nelas. O nome do cargo é técnico de relações e sua a função será mediar as relações entre as máquinas, as pessoas e as empresas. No entanto, com a crescente complexidade de relações, será importante não só mediá-las, mas também construí-las.

No futuro, devido à cada vez maior confusão da vida online, Portugal vai precisar de depuradores de imagem pessoal: alguém que vai garantir que a pessoa online e a física são coerentes entre si. Não haverá espaço para publicar na internet uma imagem fictícia, que não corresponda à realidade.

Em Espanha vão haver professores para os robôs

O nome mais correto é programador de educação para a inteligência artificial e é quem vai desenvolver uma educação inteligente para os robôs, que aprendem de forma semelhante às crianças.

Mas em Espanha também vai nascer um controlador de privacidade, o profissional que vai garantir que não existe nenhuma falha nem com a privacidade dos usuários, nem com o uso ético dos seus dados. Alguém que no meio de toda a criatividade, inovação e tecnologia, imponha limites éticos.

Advogado especializado em direitos dos robôs, direto para a Bélgica

Mas com os robôs a invadirem o mercado de trabalho, as situações em que as máquinas possam ser maltratadas ou injustiçadas podem aumentar. Para isso, alguns advogados farão uma especialização em direitos dos robôs e terão de defendê-los como fariam com qualquer outro cliente. Segundo a investigação, a especialização dos advogados em direitos de robôs assume uma grande importância à medida que estas máquinas ficam cada vez mais inteligentes e, quem sabe, desenvolvam algum tipo de sentimento.

Ainda na Bélgica, haverá lugar para outra nova profissão: o arquiteto da internet das coisas. Milhões de dispositivos, desde carros a torradeiras, começam a ter uma nova funcionalidade, a de conexão à internet. Neste contexto, este arquiteto tem a principal função de organizar a estrutura e desenvolver soluções criativas.

Agricultores celulares para Itália

No futuro, a agricultura vai sofrer algumas transformações. Em Itália vão produzir-se alimentos a partir de células, vai ser possível, por exemplo, fabricar leite sem vacas ou produzir carne sem recorrer a nenhum animal. É o futuro ético e sustentável que o estudo antevê.

O ensino tradicional, na sala de aula com o professor e com horários rígidos, vai alterar-se completamente. Cada vez mais vai ensinar-se à distância e, por isso mesmo, surgirá um desenhador de ensino. Este cargo é destinado a quem desenhe cursos e formas criativas de transmitir conhecimentos, através da internet.

 

Restaurador da natureza precisa-se, na Alemanha

Para reverter os danos causados pela atividade humana no meio ambiente, a Alemanha terá restauradores da natureza. Pessoas que vão, por exemplo, proteger as rotas de voo das aves ou a biodiversidade.

Atualmente, no mundo da tecnologia e da inteligência artificial, já há uma discrepância significativa entre o número de profissionais homens e de profissionais mulheres. Para combatê-la, e não deixar que a diferença se torne cada vez maior, haverá um profissional inteiramente preocupado com a igualdade de género. O diretor anti-preconceito na inteligência artificial vai garantir que se criam aplicativos livres de preconceitos culturais e certificar-se de que entram mulheres para esta área de trabalho.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Uma espécie de mediador entre máquinas e humanos? Sim, é uma das profissões do futuro em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião