BPI vê mais potencial nas empresas da bolsa portuguesa. Veja as novas avaliações

O banco atualizou os preços-alvo de 18 cotadas nacionais. CTT, Sonae Capital, Sonae e BCP têm mais potencial face à cotação das ações. A Altri tem a maior subida de target, mas sem margem para subir.

O CaixaBank BPI está otimista em relação à praça bolsista nacional e face ao rumo de uma grande parte das cotadas que a compõem. O banco espanhol atualizou as estimativas para o final de 2019 de duas dezenas de cotadas nacionais, sendo que a grande maioria viu o respetivo preço-alvo melhorado. O CaixaBank BPI também incluiu duas novas cotadas portuguesas na lista de dez títulos ibéricos preferidos.

No Iberian Book divulgado nesta quinta-feira, o CaixaBank BPI elevou o preço-alvo a 16 das 20 cotadas nacionais que acompanha, 15 das quais integram o PSI-20. Do universo total de 20 empresas, apenas duas mereceram por parte do banco uma revisão em baixa de target: a Impresa e a Novabase. Há ainda duas cotadas que se encontram com a avaliação sob revisão: a Ibersol e a Sonae Indústria.

A visão para as cotadas do PSI-20

No universo de cotadas que viu o seu target melhorado, a Altri sobressai com a maior subida. O CaixaBank BPI elevou o respetivo preço-alvo em 48%, uma atualização justificada pelo “super ciclo” em que a Altri se encontra, que colocou o valor das ações nos 7,91 euros. Mas os analistas avisam que a cotação atual “não tem suporte”, lembrando o ganho de 59% acumulado desde o início do ano.

Entre as revisões em alta de preço-alvo mais dilatadas encontra-se a Mota-Engil. O banco elevou em 33% o target que atribui às ações da construtora, para os quatro euros. Este preço-alvo avalia as ações da empresa liderada por Gonçalo Moura Martins 23% acima da respetiva cotação.

O ranking de avaliações fora do PSI-20

Entre os títulos com maior potencial de subida face ao preço a que transacionam, o CaixaBank BPI colocou títulos como os CTT, a Sonae Capital, a Sonae e o BCP. A revisão em alta dos targets atribuídos a essas cotadas colocou-as com potenciais de valorização acima de 40%. Fique a conhecer nas tabelas acima como o CaixaBank BPI avalia cada uma das cotadas que acompanha.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BPI vê mais potencial nas empresas da bolsa portuguesa. Veja as novas avaliações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião