Galp é a melhor na relação com os investidores em Portugal. Melhor CFO é do BCP

  • Rita Atalaia
  • 14 Junho 2018

A Galp domina nas relações com investidores em Portugal. Ganhou o prémio de melhor CEO e empresa neste segmento. Já Miguel Bragança, do BCP, é o melhor CFO.

Carlos Gomes da Silva continua a destacar-se na relação com os investidores. O CEO da Galp Energia conquistou novamente o galardão na edição deste ano do Extel Survey. A empresa que lidera também venceu, assim como a equipa de investor relations (IR). O prémio de melhor CFO escapou à petrolífera: foi para o BCP.

A edição deste ano do ranking elaborado pelo Extel Survey, que elege os 25 melhores CEO europeus nas relações com investidores, não inclui nenhum presidente de uma empresa portuguesa. Mas o Extel Survey também faz o ranking por país. Em Portugal, a Galp voltou a ganhar: a petrolífera não só tem o melhor CEO, como é considerada a melhor empresa na relação com os investidores. Cátia Lopes ganhou o prémio de melhor IR Professional.

“A Galp Energia continuou a posicionar-se entre as empresas que seguem as melhores práticas de relações com investidores tanto a nível nacional como internacional”, afirmou a petrolífera ao ECO, sublinhando que tanto em termos de empresa como de CEO “conseguiu chegar ao top 5 no setor de Oil & Gas a nível europeu”.

"A Galp Energia continuou a posicionar-se entre as empresas que seguem as melhores práticas de relações com investidores tanto a nível nacional como internacional.”

Galp Energia

A Galp Energia pode ter o melhor CEO, mas é o BCP que ganha o prémio de melhor CFO — impedindo a petrolífera de fazer o pleno. Este ano, o galardão foi entregue a Miguel Bragança. No ano passado, o melhor CFO na relação com os investidores foi entregue a Filipe Crisóstomo Silva, da petrolífera liderada por Carlos Gomes da Silva.

Galp é a melhor por cá. Deutsche Telekom ganha lá fora

Em Portugal, a Galp Energia pode destacar-se na relação com os investidores, acumulando os prémios de melhor CEO, melhor emprego e melhor equipa de IR. Mas lá fora não é a petrolífera que sobe ao primeiro lugar no setor de petróleo e gás. No ranking por setores, é Josu Jon Imaz, CEO da Repsol, que se destaca na relação com os investidores.

No ranking global, por empresas, a Deutsche Telekom conseguiu destacar-se, repetindo o feito do ano anterior. Conquistou também no campo da melhor equipa na relação com os investidores, bem como na votação para administrador financeiro. Perdeu, contudo, o melhor CEO, que coube à JCDecaux. Jean-Charles Decaux ficou à frente de Tim Höttges que, por sua vez, bateu outro Decaux, o Jean-François.

Aqui fica a lista completa dos melhores CEO da Europa:

  1. Jean-Charles Decaux, JCDecaux
  2. Tim Höttges, Deutsche Telekom AG
  3. Jean-François Decaux, JCDecaux
  4. José Antonio Álvarez, Santander
  5. Francesco Starace, Enel
  6. Carlo Messina, Intesa Sanpaolo
  7. Remo Ruffini, Moncler SpA
  8. Arthur Sadoun, Publicis Groupe
  9. Vittorio Colao, Vodafone
  10. Paul Hermelin, Capgemini
  11. Gonzalo Gortázar, CaixaBank SA
  12. Stéphane Richard, Orange Group
  13. José María Alvarez-Pallete, Telefónica
  14. Jean-Pierre Mustier, UniCredit
  15. Matthias Zachert, LANXESS AG
  16. Christos Megalou, Piraeus Bank SA
  17. Daniel Hofer, JCDecaux
  18. Sergio Ermotti, UBS Group
  19. Jean-Pascal Tricoire, Schneider Electric
  20. Andreas Treichl, Erste Group Bank AG
  21. Martin Zielke, Commerzbank AG
  22. Carlos Torres Vila, BBVA
  23. Johannes Teyssen, E.ON SE
  24. Ralph Hamers, ING Group
  25. Frédéric Oudéa, Société Générale

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Galp é a melhor na relação com os investidores em Portugal. Melhor CFO é do BCP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião