Juros em queda, bolsas aliviam. Euro cai após BCE

  • Juliana Nogueira Santos
  • 14 Junho 2018

O BCE vai fechar a torneira, mas só no final do ano. O anúncio feito por Mario Draghi foi bem recebido pelos investidores, invertendo a tendência dos juros e das bolsas.

O Banco Central Europeu (BCE) anunciou que vai reduzir as compras de dívida pública de uma forma gradual até ao final do ano, altura em que o programa de estímulos monetários terminará por completo. Nos mercados, a reação não se fez esperar. Os juros da dívida recuam, as bolsas aliviam perdas e o euro cai ainda mais.

A abordagem gradual seguida pela instituição liderada por Mário Draghi, que vai reduzir as compras de dívida em metade até setembro e fechar a carteira em dezembro, bem como a decisão de manter inalteradas as taxas de juro diretoras está a levar os mercados de dívida a inverterem a tendência. As yield das dívidas soberanas estão a recuar.

É isso que se verifica na Alemanha e ainda com maior expressão nos países da periferia. As taxas a dois anos de Itália voltaram para terreno negativo, enquanto em Portugal as yields recuam três a quatro pontos base. A taxa a cinco anos está nos 0,76%, enquanto na maturidade a dez anos está nos 1,94%.

Nas bolsas, e depois de um início de sessão negativo, em que os principais índices europeus registavam perdas de cerca de 0,5%, as notícias do BCE chegaram como uma lufada de ar fresco. O índice agregador para o setor financeiro, o Stoxx Banks, inverteu de perdas, tocando máximos de sessão com um avanço de 0,2%.

Em Portugal, o PSI-20 deslizava perto de 1% no início da sessão, tendo agora aliviado para 0,44%, ao cotar nos 5.658,26 pontos. O único banco em bolsa segue, ainda assim, a perder 0,69% para 27,21 cêntimos.

No mercado cambial, o euro segue a desvalorizar 0,4% em relação ao dólar, atingindo mínimos desta sessão. A moeda única seguia já em queda, depois de, no outro lado do Atlântico, a Reserva Federal ter subido o preço do dinheiro para os 2%. Com a decisão de Draghi, o euro cota agora nos 1,1744 dólares.

(Notícia atualizada às 13h38 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juros em queda, bolsas aliviam. Euro cai após BCE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião