BCE prepara-se para deixar cair estímulos. Juros da dívida aceleram

Juros da dívida da Zona Euro voltam a acelerar depois de o economista-chefe ter dito que o banco central se prepara para anunciar o fim dos estímulos na reunião da próxima semana.

Comentários conservadores do Banco Central Europeu (BCE) estão a impulsionar os juros da dívida da Zona Euro nesta quarta-feira. Portugal não escapa a esta escalada do risco, mas a tendência é geral na região da moeda única com Itália a ser novamente o foco das atenções dos investidores.

Está cada vez mais próximo do fim o programa de estímulos que nos últimos anos ajudou a conter os juros dos governos da Zona Euro. Esta quarta-feira o economista-chefe do BCE, Peter Praet, revelou que no seio do banco central é maior a confiança de que a inflação está a subir para o nível que considera adequado para a economia — abaixo, mas perto de 2%. Mas os comentários de Praet não se ficaram por aqui: revelou que a autoridade monetária vai discutir na próxima semana a retirada gradual dos estímulos monetários.

“Temos sinais que mostram uma convergência da inflação rumo ao nosso objetivo, e tanto como a solidez da economia da Zona Euro como o facto de essa solidez estar a afetar cada vez mais os salários sustentam a nossa confiança de que a inflação vai atingir o nível abaixo, mas perto de 2% no médio prazo”, disse Praet, em Berlim, citado pela Reuters.

Temos sinais que mostram uma convergência da inflação rumo ao nosso objetivo, e tanto como a solidez da economia da Zona Euro como o facto de essa solidez estar a afetar cada vez mais os salários sustentam a nossa confiança de que a inflação vai atingir o nível abaixo, mas perto de 2% no médio prazo.

Peter Praet

Economista chefe do BCE

Estas declarações apanharam os investidores desprevenidos. Sobretudo depois da recente turbulência em Itália ter deixado o mercado mais expectante em relação a uma abordagem mais cautelosa do BCE, liderado por Mario Draghi, quanto ao seu programa de estímulos. Não foi isso que aconteceu e os juros da dívida estão a subir em força, com os investidores menos confortáveis em deter dívida da região.

No mercado português, as yields sobem em todos os prazos. Os juros associados às obrigações do Tesouro a 10 anos avançam mais de oito pontos para 1,909% — depois de ter superado os 2% com a instabilidade em Itália no final do mês passado. No prazo a 5 anos, a taxa soma para os 0,758%.

Juros a 10 anos portugueses aproximam-se da fasquia dos 2%

Fonte: Reuters

Itália continua a ser o centro das atenções, mas há outros fatores internos que contribuem para isso. Os juros a 10 anos disparam 18 pontos para 2,94% e voltam a namorar a fasquia dos 3% e a 5 anos a subida é de 25 pontos para 2,165%. Já a dívida espanhola a 10 anos avança para 1,467%.

“O mercado está muito sensível a mudanças no outlook do banco central e com a iminente mudança da abordagem do BCE, esta sensibilidade está a aumentar”, frisou Jan von Gerich, estratega da Nordea.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE prepara-se para deixar cair estímulos. Juros da dívida aceleram

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião