Memes? São motivo de muitos risos, mas agora arriscam passarem a ser ilegais

  • ECO
  • 16 Junho 2018

A nova lei sobre os direitos de autor é votada ainda este mês no Parlamento. Tem como objetivo reconhecer o trabalho dos autores e criadores.

São um veículo que dá um toque de humor a qualquer assunto, até mesmo aos temas mais sérios. Estão espalhados pela Internet, são partilhados nas redes sociais ao segundo e conseguem arrancar gargalhadas. No entanto, o uso de memes pode estar prestes a sofrer mudanças, e grandes.

No Parlamento Europeu discute-se a nova lei que incide sobre os direitos de autor na internet e, caso seja aprovada, o utilização de memes poderá passar a ser limitada, ou até proibida, pelo artigo 13 da normativa. A lei pretende proteger a propriedade intelectual e os direitos de autor para os conteúdos publicados na internet e será votada nos próximos dias 20 e 21 de junho.

A aprovar-se esta lei sobre a proteção dos direitos de autor, a internet, tal como é conhecida e utilizada hoje, sofrerá algumas mudanças, uma vez que o simples facto de partilhar um meme nas redes sociais pode originar uma multa ou sanção.

A polémica começou porque, algumas vezes, estas imagens correspondem a conhecidas cenas de filmes ou séries de televisão, o que pode ser considerada uma infração de acordo com a nova lei europeia.

Para os ativistas da Save Your Internet, o artigo 13 é uma tentativa de controlar todo o que se passa na internet. O principal receio é que esta lei destrua a cultura da internet, de partilhar e modificar imagens reconhecidas. Já os impulsionadores da diretiva asseguram que não se trata de censurar a internet, mas sim, de justiça para com os autores, criadores e editores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Memes? São motivo de muitos risos, mas agora arriscam passarem a ser ilegais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião