Deixe-me passar o PIB… Perdão, o T-Roc

O T-Roc pode ser um SUV pequeno, mas é uma grande aposta da Volkswagen. Com um desenho arrojado, tem argumentos para fazer frente à concorrência. Ou mesmo passar à frente, dando boleia ao PIB.

O Touareg é gigante. E o Tiguan, apesar de bem mais compacto, continua a ser grande para o dia a dia. Para dar resposta a um segmento em forte crescimento, a Volkswagen apostou forte noutro T… O T-Roc é não só o mais pequeno dos SUV da fabricante alemã, mas também o mais rebelde. O desenho arrojado combina na perfeição com a sensação de condução de um modelo que merece um especial carinho por parte dos portugueses.

Dizer que é um automóvel pequeno… só mesmo por comparação com os restantes modelos da VW, já que o T-Roc, apesar de compacto, tem presença. Se visto de frente pouco se diferencia do que a marca já habitou os clientes, compensa com uma lateral musculada, marcada pelas grandes cavas das rodas que lhe dá aquele look aventureiro que quem conduz este tipo de modelos tanto procura.

Esteticamente tem argumentos mais do que suficientes para ter uma palavra a dizer num segmento que cada vez conta com mais concorrentes. E se as linhas não chegam, há sempre a possibilidade de jogar com a multiplicidade de combinações de cores da carroçaria (há 11, no total)… mais quatro só para o tejadilho. Essa mesma personalização é possível no interior, aproximando o T-Roc do público mais jovem.

Apostar nos jovens. É tudo personalizável

Foi a pensar em condutores de mais tenra idade que além das cores que se escolhem para o SUV, a marca alemã acrescentou muitas outras que emanam dos ecrãs. Sim, plural. Há um ecrã no centro do tablier que como é tradicional agrega desde o rádio ao GPS, sem esquecer, claro, a informação do veículo, mas principalmente as aplicações, sejam as da marca, sejam as que já tem no smartphone que pode ser conectado ao T-Roc.

Mas além deste, há ainda um outro ecrã mesmo em frente do condutor. E se em termos de materiais a concorrência consegue apresentar uma qualidade por vezes superior — há plásticos que podiam ser melhores –, nenhuma outra marca oferece, nesta gama, um painel de instrumentos digital. O Active Info Display brilha por detrás do volante, apresentando desde informações básicas de velocidade até aos consumos. Ou mesmo só a navegação, para não ter de tirar os olhos da estrada.

Motores que levam a economia a reboque

Há vários motores com que se pode acelerar ao volante do T-Roc. Os diesel (há um 1.6 e um 2.0 TDI) continuam a ser opção para muitos, mas a gasolina tem vindo a ganhar força. Especialmente com motores cada vez mais pequenos, sobrealimentados, que garantem ser despachados em qualquer situação. Para o T-Roc, a VW trouxe o pequeno 1.0 e o novíssimo 1.5 TSI.

O mais pequeno de todos tem apenas três cilindros. No entanto, há 115 cv debaixo do capot capazes de deixarem outros condutores parados no sinal quando o vermelho passa para verde. Mas o 1.5 de 150 cv tem, claramente, mais alma. Isso mesmo vê-se nas recuperações rápidas que permite fazer mesmo a velocidades mais elevadas. A resposta é convincente. E muitas vezes dá vontade de dizer: “Deixem passar…” o T-Roc, modelo fabricado em Palmela que leva atrás o PIB.

O contributo deste modelo para o país é expressivo, o que contrasta com os consumos… e com o preço. São ambos os motores bastante comedidos (o 1.5 tem um truque: quando não se abusa do pedal, só dois dos quatro cilindros é que ficam a trabalhar), conseguindo-se médias na casa dos 6 a 7 litros aos 100 km, sendo que para os comprar são precisos entre 25 e pouco mais de 30 mil euros, respetivamente.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Deixe-me passar o PIB… Perdão, o T-Roc

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião