Pedro Marques: Taxas de financiamento do BEI a municípios causam inveja a Centeno

  • Lusa
  • 18 Junho 2018

O ministro do Planeamento diz que as taxas de juro proporcionadas aos municípios, através dos 250 milhões do BEI, deixam um “bocadinho invejoso o ministro das Finanças”.

As taxas de juro proporcionadas aos municípios, no âmbito da nova linha de financiamento do Banco Europeu de Investimento (BEI), num máximo de 250 milhões de euros, deixam um “bocadinho invejoso o ministro das Finanças”, segundo o ministro do Planeamento.

Na apresentação da linha que contribuirá para financiar a contrapartida nacional de investimentos prioritários aprovados ao abrigo do Portugal 2020, em Lisboa, Pedro Marques notou que a taxa de juro fixa desta linha de financiamento “é muito mais baixa do que as taxas comparáveis da República”.

“Diria que os nossos municípios ficam com melhores condições de financiamento do que a República tem neste momento quando se financia a 15 ou 20 anos nos mercados internacionais. O ministro das Finanças até é capaz de ficar com um bocadinho de inveja das taxas de juro”, gracejou.

Pedro Marques continuou, em tom bem-humorado, que pelos municípios “se faz realmente tudo e o BEI criou melhores condições para os municípios, que depois explicarão ao ministro das Finanças como o conseguiram”.

O governante indicou que estão “criadas as condições para alavancar o investimento municipal” e manter Portugal entre os países que mais executam verbas dos apoios comunitários.

Pedro Marques disse ainda que o Governo assumiu os encargos administrativos das operações, porque se desejam as “melhores condições de financiamento para os municípios”, que se requererem os empréstimos com as “atuais boas condições de mercado da Euribor” podem ter um financiamento à “taxa zero a 15 ou 20 anos”.

Na cerimónia, o secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson de Souza, precisou que os municípios podem optar por “um regime de taxa fixa de 1,564%” ou de taxa de juro variável de Euribor a seis meses +0,277%.

Em representação da Associação Nacional de Municípios Portugueses, a vice-presidente e autarca de Portimão, Isilda Gomes, referiu que Algarve e área metropolitana de Lisboa serão beneficiadas por este empréstimo.

"O Governo assumiu os encargos administrativos das operações, porque se desejam as melhores condições de financiamento para os municípios.”

Pedro Marques

Ministro do Planeamento

“Porque não sendo regiões de convergência, mais ou menos a média de limite de apoio [comunitário é 50%]”, disse a autarca, que saudou as taxas de juro praticadas nos empréstimos, que “não contam para os limites de endividamento” dos municípios.

A mesma fonte notou que “muitas vezes o que limita” os municípios às candidaturas de apoios comunitários são os “limites do endividamento, uma vez que todos sabemos que autarquias ricas há poucas e as autarquias têm que pôr o dinheiro que têm ao serviço dos munícipes”.

Na sua intervenção, o ministro fez eco das “boas condições”de que o Algarve e Lisboa podem beneficiar neste financiamento da contrapartida pública, mas que a “possibilidade dos 50% de financiamento do custo total como limite de acesso a esta linha parece uma excelente notícia para todo o território nacional”.

A encerrar a apresentação, o ministro das Finanças, Mário Centeno, lembrou que desde 2010 o BEI facultou mais de 11,5 mil milhões de euros em Portugal e, no ano passado, mais 1,9 mil milhões em 25 projetos, o que equivale a cerca de 1% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional.

“Para o quadro financeiro plurianual pós 2020, Portugal mantêm a confiança de que o BEI continue a promover as políticas europeias e o investimento da União”, disse.

Marcou também presença a vice-presidente do BEI Emma Navarro na apresentação dos fundos, cuja gestão cabe à Agência Portuguesa para o Desenvolvimento e Coesão e podem ser aplicados em investimentos nas áreas da inovação e investigação, educação, desenvolvimento de negócios, saúde, eficiência energética e energias renováveis, melhoria do abastecimento de água, renovação urbana integrada, cobertura de banda larga e e-gov.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pedro Marques: Taxas de financiamento do BEI a municípios causam inveja a Centeno

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião