Queda do negócio da TVI “é o desfecho mais favorável”. Vodafone vai retirar ações em tribunal

A Vodafone diz que "serão retiradas" as ações em tribunal que tinham como objetivo travar a compra da Media Capital pela Altice. Queda do negócio é o desfecho "que mais favorece" o país.

A Vodafone já reagiu à notícia da queda do negócio da Media Capital. Para a operadora liderada por Mário Vaz, “é o desfecho que mais favorece os consumidores” e o país. Era também um cenário já “previsível”, aponta a companhia, alinhando com as reações já conhecidas da Nos e do grupo Impresa. A Vodafone vai, assim, retirar os dois processos que promoveu na Justiça para tentar travar a operação.

Em resposta ao ECO, fonte oficial da Vodafone Portugal indica que o facto de o negócio já não se realizar “é o desfecho que mais favorece os consumidores, a concorrência, o bom desenvolvimento dos setores de media e telecomunicações e o país”. E acrescenta que, “com o previsível desfecho deste procedimento na Autoridade da Concorrência (AdC), as ações da Vodafone deixarão de ter razão de ser, motivo pelo qual consideramos que serão retiradas”, avança a empresa.

A Altice e a Prisa comunicaram aos mercados que já não vão realizar a transação de propriedade da Media Capital, dona da TVI, na medida em que estiveram 11 meses à espera de que o processo tramitasse por completo nos reguladores portugueses. Concretamente, a Altice acusa a AdC de não emitir uma decisão em tempo útil, com “consequências” para os investidores nacionais e estrangeiros.

Foi em julho de 2017 que a Altice anunciou a intenção de comprar a Media Capital aos espanhóis da Prisa. A dona da Meo oferecia 440 milhões de euros pelo maior grupo de media em Portugal, mas existiam receios de que a operação distorcesse a concorrência nos setores de media e telecomunicações.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Queda do negócio da TVI “é o desfecho mais favorável”. Vodafone vai retirar ações em tribunal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião