Vieira da Silva duvida de “que alguém de esquerda se oponha a correções progressistas”

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 18 Junho 2018

Vieira da Silva diz ter dúvidas de que "alguém de esquerda se oponha a correções progressistas, democráticas, de valorização do trabalho" e do "diálogo social".

Vieira da Silva, ministro do Trabalho, vinca que o acordo laboral alcançado em concertação social abarca a revisão de algumas normas “num sentido claramente progressista, de correção de desequilíbrios”. E diz ter dúvidas que alguém “de esquerda” se oponha a isso.

“Eu tenho muitas dúvidas de que alguém de esquerda se oponha a correções progressistas, democráticas, de valorização do trabalho, de valorização da democracia no local de trabalho, de valorização do diálogo social, que isso possa ser interpretado como uma aproximação a outra qualquer coligação, a outro qualquer arranjo eleitoral”, afirmou Vieira da Silva em entrevista na Edição da Noite da Sic Notícias.

Foi esta a resposta do governante quando questionado sobre a leitura que seria dada se o acordo agora assinado com patrões e UGT acabasse por ter o apoio, por exemplo, do PSD. Vieira da Silva também recordou que, em várias ocasiões, já existiram “maiorias no Parlamento de diferente tipo”. E disse ainda que compreenderia que outros partidos tivessem em conta, na hora de votar a proposta, a existência de um acordo entre parceiros sociais.

Na concertação social, o Governo conseguiu chegar a um compromisso com as quatro confederações patronais e a UGT, ficando a CGTP fora de um acordo. Mas as medidas ainda têm de passar pelo Parlamento, e os partidos mais à esquerda já deixaram críticas. E também o PS já avisou que vai apresentar propostas de alteração às medidas do Governo, para que sejam “clarificadas” e “melhoradas”.

Ainda durante a entrevista, Vieira da Silva também recordou que as medidas em causa são sobretudo de regulação do mercado de trabalho e não de natureza orçamental. Quando questionado sobre eventuais dificuldades que este acordo poderia trazer às negociações em torno do Orçamento do Estado, o ministro indicou que poderá haver alguma incidência orçamental no âmbito de medidas ligadas ao reforço da administração do trabalho, que está “fragilizada” e tem “poucos quadros”, o que dificulta a fiscalização e a aplicação das leis. Mas “creio que nessa dimensão não há o risco de haver aqui uma contaminação negativa nas questões orçamentais”, salientou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vieira da Silva duvida de “que alguém de esquerda se oponha a correções progressistas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião