Holdimo pede ao Tribunal destituição de Bruno de Carvalho

A Holdimo, que controla quase 30% da SAD, intentou no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa um processo de destituição de órgãos sociais da SAD. E pede a nomeação de três administradores provisórios.

Num comunicado enviado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) esta madrugada, a SAD do Sporting diz que a Holdimo, empresa do angolano Álvaro Sobrinho, “intentou, no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa – Juízo de Comércio de Lisboa, contra o presidente do conselho de administração Bruno de Carvalho e os administradores, Carlos Vieira e Rui Caeiro, um processo especial de destituição de órgãos sociais”.

Álvaro Sobrinho pediu a suspensão imediata dos gestores de funções e ainda que fossem nomeados “três administradores provisórios”.

Na comunicação que faz ao mercado, a SAD diz que a Holdimo requereu ao Tribunal que a suspensão de Bruno de Carvalho “fosse decretada sem audiência prévia dos requeridos, pedido este que foi indeferido pelo tribunal, estando, por isso, nos termos da lei processual, a correr prazo para a contestação”.

A Holdimo é o segundo maior acionista da SAD do Sporting, com 29,851% do capital, e é detida pelo angolano Álvaro Madaleno Sobrinho. O restante capital da SAD é detido pelo Sporting Clube de Portugal que controla, direta e indiretamente, 63,956% da sociedade. Joaquim Oliveira detém 3,186% da SAD, sendo que há um valor residual, de cerca de 3%, que está disperso em bolsa.

Este pedido de destituição de Álvaro Sobrinho para a SAD acontece numa altura de grande turbulência também a nível do Sporting Clube de Portugal. Para esta semana, no dia 23, está agendada uma assembleia geral do clube com o objetivo de destituir o conselho diretivo. Bruno de Carvalho é, simultaneamente, presidente da SAD e do conselho diretivo do clube.

Esta madrugada, também em comunicado à CMVM, a SAD do Sporting veio informar que a auditora PWC alertou que as rescisões dos jogadores “mais valiosos” do plantel são uma “ameaça concreta em relação à continuidade das operações da Sporting SAD”.

(Notícia atualizada às 7h02 com a estrutura acionista da SAD).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Holdimo pede ao Tribunal destituição de Bruno de Carvalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião