Ir às compras na Zara vai mudar… Entre realidade aumentada e hologramas, a aposta é na tecnologia

  • ECO
  • 19 Junho 2018

Uma aplicação de realidade aumentada e assistentes virtuais nos gabinetes de prova são algumas das inovações que a marca espanhola está a testar.

A experiência nas lojas da Zara está a mudar. A cadeia espanhola está a apostar na tecnologia para melhorar a experiência dos clientes, e evitar que passem para a concorrência de lojas apenas online. No final de maio, a gigante do comércio online Amazon anunciou uma nova marca de moda, mais uma para fazer frente.

Realidade aumentada, assistentes virtuais e montras com hologramas são algumas das inovações que se podem ver nas lojas da Zara, para atrair consumidores. Atualmente ainda não chegaram todas a Portugal, mas estão a ser testadas em lojas espanholas e inglesas.

A aplicação de realidade aumentada, que permite ver como a roupa fica em modelos ao apontar a câmara do telemóvel para a peça, foi disponibilizada nas lojas do Colombo e NorteShopping por 15 dias.

Para ajudar nesta senda, o grupo que detém a cadeia, Inditex, tem-se rodeado de pessoas que percebem do assunto, quer ao nível de contratações quer de parcerias. Depois de Sergio Alvarez, um dos fundadores de CartoDB, que é uma das maiores startups de tecnologia espanholas, se juntar à equipa, chega um peso pesado — a presidente da Microsoft Espanha. Pilar López Álvarez vai substituir um membro do conselho de administração, que termina funções a 15 de julho, avança a Bloomberg. Estes elementos vêm ajudar nas operações digitais que o grupo está a estudar, com várias empresas.

Entre essas empresas encontra-se também a Intel, com quem estão a desenvolver dispositivos que podem medir rapidamente o volume de roupas em caixas, e a californiana Fetch Robotics, para modificar a linha de produção.

Outras expansões previstas pelo grupo Inditex são um hub de logística na Holanda e um novo centro de distribuição em Arteixo. Estes investimentos vão ascender a mais de 150 milhões de euros.

As mudanças na Zara têm-se focado no que falta à concorrência em termos de loja física. Mas para além disso, a cadeia também continua a desenvolver o site, com o lançamento das vendas online na Austrália e Nova Zelândia.

O investimento parece estar a resultar. O grupo Inditex, que detém também a Pull & Bear e a Oysho, registou um aumento nas vendas online de 41% no ano passado. A Zara é o número 46 no ranking da Forbes das marcas mais valiosas do mundo, em maio, com as vendas registadas em mais de 16 mil milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ir às compras na Zara vai mudar… Entre realidade aumentada e hologramas, a aposta é na tecnologia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião