Apple pagou 0,7% de impostos na União Europeia de 2015 a 2017

  • Juliana Nogueira Santos
  • 21 Junho 2018

A estratégia "irlandesa" da Apple terá permitido uma poupança de quatro mil milhões a 21 mil milhões de euros em impostos.

O estudo foi encomendado pela Esquerda Unitária Europeia e a Esquerda Nórdica Verde.DR

Entre 2015 e 2017, a Apple pagou uma taxa média de 0,7% relativa aos impostos sobre os seus rendimentos em território europeu, isto porque a empresa se rege pelo sistema fiscal irlandês. As contas foram feitas pela Esquerda Unitária Europeia e a Esquerda Nórdica Verde, o grupo político europeu que defende que a gigante da maçã tem utilizado a Irlanda para levar a cabo negócios “Golden Delicious”.

Num estudo divulgado esta semana, o grupo onde se inclui o Partido Comunista Português e o Bloco de Esquerda afirma que os rendimentos fora de território norte-americano foram taxados a valores mais baixos do que os previstos por lei, o que terá significado numa fuga fiscal que se localiza entre os quatro mil milhões de euros e os 21 mil milhões de euros.

“A Apple não será a única multinacional a utilizar esta estrutura, publicitada como uma estrutura popular utilizada por grandes empresas envolvidas no comércio de propriedade intelectual”, pode ler-se no relatório. O documento aponta ainda para que a empresa tenha tido o apoio do Governo irlandês para criar esta estrutura, podendo agora ser replicada.

Em agosto de 2016, Bruxelas concluiu que os benefícios fiscais concedidos pela Irlanda à multinacional tecnológica eram ilegais à luz das regras comunitárias de ajudas estatais, pois permitiram à Apple pagar substancialmente menos impostos que outras empresas. Nessa ocasião, os responsáveis exigiram que a Apple pagasse 13 mil milhões ao Estado irlandês, um valor relativo a esses impostos acrescidos de juros.

Chamada já este ano ao Parlamento Europeu para explicar o sucedido, a Apple recusou o pedido, alegando que não quer correr o risco de que o processo relativo aos benefícios fiscais alegadamente concedidos pela Irlanda à empresa possa de alguma forma ser prejudicado por um comentário público.

Este novo documento vem dar mais força às acusações que têm sido imputadas à empresa. “A Apple continua a utilizar a Irlanda como a peça-chave da sua estratégia de evasão fiscal”, conclui o estudo.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Apple pagou 0,7% de impostos na União Europeia de 2015 a 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião