Teixeira Duarte vendeu 7,5% da Lusoponte a construtora chinesa por 23,3 milhões de euros

  • ECO
  • 21 Junho 2018

A China Construction comprou 7,5% da Lusoponte à Teixeira Duarte por 23,3 milhões de euros, revela a CMVM.

O grupo Teixeira Duarte (TD) vendeu a participação que detinha na Lusoponte à China Construction, de acordo com a notícia adiantada pelo Expresso (conteúdo pago). O acordo foi assinado esta quarta-feira, e de acordo com comunicado ao mercado a operação ascendeu a 23,3 milhões de euros. Este montante traduz uma avaliação implícita da Lusoponte de 310,66 milhões de euros.

O contrato de promessa prevê a venda dos 7,5% que o grupo nacional detinha na Lusoponte, que passará agora para a maior construtora chinesa, pertencente ao Estado, mas os outros acionistas ainda têm de decidir se exercem direito de preferência. Com as assinaturas de Pedro Maria Teixeira Duarte e Manuel Teixeira Duarte, “o negócio está ainda condicionado ao eventual exercício do direito de preferência por parte dos principais acionistas da Lusoponte“, lê-se no comunicada da CMVM.

A Lusoponte é concessionária das pontes Vasco da Gama e 25 de Abril, em Lisboa, e esta é mais uma das transações que envolve o grupo Teixeira Duarte, a braços com um forte passivo que tem tentado diminuir através destas operações. A construtora vendeu, recentemente, a participação que detinha no Lagoas Park, em Oeiras, a uma subsidiária do fundo europeu de private equity Kildare.

Em abril deste ano, a empresa nacional já tinha fechado um acordo com o BCP, a CGD e o Novo Banco, que previa “uma redução significativa do passivo bancário alinhada com um programa de alienação de ativos no valor de cerca de 500 milhões de euros”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Teixeira Duarte vendeu 7,5% da Lusoponte a construtora chinesa por 23,3 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião