CGD, BCP e Novo Banco usam fundo ECS para melhorar resultados

  • ECO
  • 23 Junho 2018

CGD, BCP e Novo Banco emprestaram 100 milhões à sociedade de capital de risco ECS, no final de 2017. No dia seguinte, receberam o mesmo montante numa distribuição de capital de fundo gerido pela ECS.

A Caixa Geral de Depósitos, o BCP e o Novo Banco usaram a sociedade de capital de risco ECS para melhorar as suas contas. No final do último ano, estas instituições bancárias transferiram para a sociedade referida cerca de 100 milhões de euros com o propósito claro de permitir ao FLIT (fundo gerido pela ECS) distribuir, no dia seguinte, esse mesmo montante pelos seus acionistas, avança o Expresso (acesso condicionado).

Criado em 2012 para reestruturar uma série de ativos imobiliários e turísticos problemáticos, o FLIT tem como maiores acionistas estes três bancos portugueses.

De acordo com o relatório e contas do fundo, a FLITPTREL Portugal SGPS entregou os 100 milhões emprestados pela banca à luxemburguesa FLITPTREL Lux, que por sua vez passou o dinheiro ao FLIT, que acabou por distribuir esse montante pelos seus acionistas.

Questionados pelo Expresso, os bancos e a ECS escolheram manter o silêncio. Ainda assim, fonte ouvida pelo jornal explica que o negócio tinha como objetivo a rentabilização de ativos que estão a ser recuperados e a antecipação dos reembolsos de ativos, cuja venda está a ser preparada.

Com esta operação, os bancos conseguiram “reciclar” algum do dinheiro que tinham na FLIT, o que lhes permitirá melhorar rácios de capital, reduzir a exposição a créditos problemáticos e até mesmo melhorar os seus resultados.

Nesta reestruturação, também a ECS saiu a ganhar. A acionista minoritária da FLIT conseguiu assim encaixar 140 mil euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD, BCP e Novo Banco usam fundo ECS para melhorar resultados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião