Elétrico ou híbrido? Este Ioniq é híbrido, mas tem plug in

O modelo é o mesmo, mas tanto pode ser elétrico, híbrido ou um híbrido para ligar à tomada. O Ioniq plug in é um bom compromisso para quem quer a leveza do elétrico, mas não o stress da autonomia.

É grande a aposta das fabricantes de automóveis nas novas tecnologias. Mas enquanto umas optam por passar dos tradicionais motores a gasolina ou a gasóleo para os híbridos (com um pequeno motor elétrico), outras dão o salto para os totalmente elétricos. A Hyundai, por seu lado, vai a todas, utilizando um familiar compacto como porta-estandarte de toda a tecnologia do grupo… literalmente. Há um Ioniq elétrico, um híbrido ou, no ensaio realizado pelo ECO, um híbrido plug in com 141 cv.

Parece um elétrico, ao primeiro contacto. Pressionado o botão de Start, só se percebe que está tudo pronto para arrancar porque todo o painel de instrumentos se ilumina. Barulho? Não há. Seletor em Drive e… nada. Uns minutos às voltas à procura do travão de mão elétrico (já comum em muitos automóveis) e lá está a explicação para a total inércia do Ioniq. Já conduziu um Mercedes com alguns anos? O travão é igual. É de pé…

Passado o embaraço, o Ioniq responde às solicitações com grande suavidade. As baterias dão para até 63 quilómetros, sendo um must na condução citadina. Não há barulho, não há grandes solavancos… perfeito. Mas não se pode abusar, sob pena de elas descarregarem totalmente. Por isso, quando se precisa de um pouco mais, lá vem o motor a gasolina.

O silêncio a bordo, juntamente com um habitáculo espaçoso quanto baste, e relativamente bem equipado, dá lugar a um ronronar que não é assim tão atrativo, tendo em conta que as pretensões deste modelo são tudo menos desportivas. Se quando o Ioniq passa em modo elétrico os peões ficam a olhar, espantados pelo silêncio de um modelo com um look um tanto ou quanto futurista, quando o motor 1.6 a gasolina “acorda”, rodam cabeças por causa do barulho que emana debaixo do capot.

Muita autonomia, pouco consumo (mas o preço…)

Com o motor a combustão a trabalhar, o Ioniq ganha mais pujança, essencial em percursos fora dos centros urbanos, mas a caixa de velocidades – não tem uma caixa de variação contínua como os demais elétricos — exige alguma habituação para evitar que as rotações subam por ali acima sem, contudo, isso se traduzir em ganhos de velocidade estonteantes. Dominado o escalonamento da caixa de seis velocidades, consegue-se “mandar” nos consumos.

E se há capítulo em que o Ioniq impressiona é no dos consumos. Não é muito complicado andar uns bons quilómetros sem gastar nem um litro de gasolina, recorrendo apenas ao modo totalmente elétrico, mas em modo híbrido conseguem-se médias em torno dos 4 a 5 litros aos 100 km.

E se num elétrico puro há sempre o stress da autonomia, aqui não. É possível fazer uns bons 800 km sem precisar de abastecer de gasolina, sendo que pode conseguir-se sempre mais “brincando” com a regeneração da bateria. Soltar o Ioniq numa estrada mais desnivelada permite ver no ecrã de 8 polegadas colocado no centro do tablier a inversão dos fluxos de energia. Em vez de ter o motor e a bateria a alimentarem as rodas, são estas que passam a corrente para as baterias.

É um “jogo” interessante, incitando à poupança dos euros com o combustível, mas primeiro é preciso ter alguns milhares de euros para poder abrir a porta, sentar-se ao volante e “jogar”. Quantos? 38.500 euros, exatamente o mesmo preço pedido pela Hyundai pelo mesmo modelo, mas na versão totalmente elétrica. Menos do que isso custa o híbrido (29.900 euros), mas depois é preciso fazer outras contas. Para as empresas, por exemplo, há benefícios fiscais em sede de ISV e de IVA e desconto na tributação autónoma, que podem fazer do plug in uma proposta mais interessante.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Elétrico ou híbrido? Este Ioniq é híbrido, mas tem plug in

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião