Dieselgate: Volkswagen prepara-se para pedir indemnização ao ex-CEO

  • ECO
  • 25 Junho 2018

Martin Winterkorn, ex-CEO da Volkswagen, pode vir a ter de pagar uma indemnização à fabricante automóvel. Isto porque estava à frente da empresa quando esta manipulou os testes de emissões de gases.

A Volkswagen considera pedir uma indemnização ao ex-CEO. Isto porque era Martin Winterkorn que estava à frente da empresa quando a fabricante falsificou os testes de emissões de gases poluentes. A decisão será tomada pelo conselho supervisor assim que forem conhecidos os resultados da investigação.

“Indemnizações contra ex-membros do conselho de administração estão a ser seriamente considerados”, afirmou Stephan Weil, membro do conselho supervisor da empresa, ao jornal Sueddeutsche Zeitung, citado pela Reuters.

A Volkswagen está envolvida desde 2015 num vasto escândalo que envolve a manipulação de emissões poluentes de veículos com motores diesel, um caso que custou cerca de 25 mil milhões de euros ao construtor em processos na justiça e reparação de viaturas.

O grupo reconheceu que equipou 11 milhões dos seus veículos diesel com software que falsificava os resultados dos testes de poluição e ocultava as emissões de óxidos de nitrogénio superiores a 40 vezes os padrões permitidos.

“Quando soubermos o resultado das investigações, tomaremos uma decisão”, disse ainda Weil. Até agora, a Volkswagen tem apontado o dedo a gestores de nível de inferior, dizendo que apenas estes sabiam da manipulação dos testes. Contudo, esta posição mudou depois de as autoridades terem apresentado acusações criminais contra Winterkorn no início deste ano.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dieselgate: Volkswagen prepara-se para pedir indemnização ao ex-CEO

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião