Concurso procura ideias para inclusão financeira. Há duas startups portuguesas na final

Há duas startups portuguesas -- a Raize e a GoParity -- na final da competição ibérica Inclusion Plus, que procura as melhores soluções para promover a inclusão financeira.

Há duas startups portuguesas na final da edição ibérica do Inclusion Plus, um concurso que pretende encontrar soluções inovadoras para aumentar o bem-estar financeiro das famílias com baixos rendimentos e promover a inclusão financeira em geral. Na última batalha da competição — que está marcada para 5 de julho — a Fundação MetLife irá entregar um prémio de 40 mil euros à melhor empresa.

Dos 40 projetos portugueses e espanhóis que foram inicialmente selecionados, chegaram a esta última fase cinco startups. A representar Portugal, estão a Raize e a GoParity . A primeira oferece uma plataforma que liga pequenas empresas em busca de financiamento competitivo a investidores que procurem “projetos vantajosos”. A GoParity, por sua vez, trabalha com pequenos investidores e startups no sentido de promover o “investimento sustentável, a poupança e a educação financeira”.

Na próxima semana, estas empresas lusitanas vão defrontar, em Madrid, as três finalistas espanholas (a Alda, a Goin e a OpSeeker) pelo prémio final de 40 mil euros. Para conquistar esse troféu, as startups vão fazer pitch das suas ideias perante um júri composto por “personalidades influentes”.

O Inclusion Plus é apoiada pela norte-americana MetLife, uma das maiores fornecedoras de seguros de vida, pensões e gestão de ativos do mundo. “A MetLife tem um compromisso constante com a inovação, mas também com o cuidado sobre as sociedades nas quais opera”, sublinha, em comunicado, o diretor da MetLife na Península Ibérica. Oscar Herencia sublinha que, para a empresa, é muito importante “apoiar iniciativas” que se foquem em soluções que melhorem o bem-estar e a capacidade financeira da sociedade, “ajudando as pessoas a tomar melhores decisões.

Além da Península Ibérica, o Inclusion Plus também já foi experimentado nos Estados Unidos, na Austrália, no Egito, na Coreia do Sul, na Índia, no México, na China, na Irlanda, no Líbano e até em Bangladesh.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Concurso procura ideias para inclusão financeira. Há duas startups portuguesas na final

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião