Costa elogia Merkel por estar “do lado certo daquilo que são os valores da Europa”

  • Lusa
  • 29 Junho 2018

O primeiro-ministro português felicitou a chanceler alemã pela posição que tem tomado. Por outro lado, recusou-se a comentar “outras atuações para fins mediáticos", referindo-se a Giuseppe Conte.

O primeiro-ministro, António Costa, elogiou esta sexta-feira a chanceler alemã Angela Merkel por estar “do lado certo daquilo que são os valores da Europa”, e recusou-se a comentar “outras atuações para fins mediáticos”, referindo-se ao italiano Giuseppe Conte.

“Eu desejo à chanceler Angela Merkel as maiores felicidades, porque tem estado do lado certo daquilo que são os valores da Europa. Quanto a outras atuações para fins mediáticos, não faço comentários”, resumiu o primeiro-ministro português.

António Costa comentava assim a ‘vitória’ política de Angela Merkel, que nesta cimeira jogava uma cartada política interna decisiva, face às críticas de que era alvo dentro da sua própria coligação governamental, por parte da ala direita, e que ameaçavam precipitar a queda do seu Governo e novas eleições, assim como a ‘prestação’ de Conte.

O primeiro-ministro italiano chegou a bloquear as conclusões do primeiro dia de trabalhos, obrigando os 28 a uma maratona negocial.

Giuseppe Conte salientou hoje que o seu país “já não está sozinho” na gestão dos fluxos migratórios, depois de o Conselho Europeu ter chegado a acordo sobre o tema.

Conte manifestou-se satisfeito com o acordo alcançado, que prevê para a questão das migrações “uma abordagem integrada”, como a Itália tinha pedido, baseada numa maior solidariedade entre os Estados-membros.

O chefe do Governo italiano realçou o ponto das conclusões do Conselho Europeu que prevê a criação de plataformas de desembarque em países terceiros, para os migrantes resgatados nas águas do Mediterrâneo, sendo que estas operações devem ser realizadas, ao abrigo da legislação internacional, por autoridades marítimas.

Itália também ficou agradada com o princípio de que quem chega a um Estado-membro, chega à UE, o que apela a uma maior solidariedade na repartição dos requerentes de asilo.

Costa considera que cimeira do euro deu “grande passo em frente”

O primeiro-ministro, António Costa, considerou que a “cimeira do euro”, realizada hoje em Bruxelas, representou “um grande passo em frente”, desvalorizando o facto de não ter havido mais avanços a nível de um orçamento para a zona euro.

“É um caminho que se faz caminhando. Há dois anos, quando se falava em capacidade orçamental da zona euro, metade do Conselho tinha quase uma apoplexia”, comentou, à saída da cimeira da zona euro, que, segundo o primeiro-ministro, e ao contrário do sucedido com o Conselho Europeu a 28 dominado pelas divisões em torno da matéria das migrações, “correu de forma francamente positiva”.

A questão da capacidade orçamental própria da zona euro, referiu, “hoje já consta claramente da proposta franco-alemã, está expressamente referida na carta do presidente do Eurogrupo (Mário Centeno) como sendo uma das matérias a tratar, e hoje o Conselho deu um mandato claro ao Eurogrupo para tratar todas as questões referidas na carta, incluindo naturalmente a capacidade orçamental”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa elogia Merkel por estar “do lado certo daquilo que são os valores da Europa”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião