Já não precisa de chave de carro. Basta ter consigo o telemóvel, entrar e conduzir

  • ECO
  • 1 Julho 2018

A chave digital, anunciada pelo Car Connectivity Consortium, permite destrancar as portas, destravar o carro e pôr o motor a trabalhar. As chaves tradicionais serão dispensáveis.

O Car Connectivity Consortium (CCC), que inclui empresas como a Apple e a Samsung, anunciou o lançamento da Digital Key Release 1.0, uma tecnologia que promete tornar as chaves dos carros fabricados desde o início de 2019 dispensáveis. Esta inovação, além de destrancar as portas dos carros, permite destravá-lo e começar a viagem. Também será possível partilhar o acesso ao automóvel com os telemóveis de outras pessoas.

No que toca às questões de segurança que a chave digital desperta, o consórcio afirma que, utilizando a tecnologia de Near Field Communication (NFC) ou, em português, comunicação por proximidade, é garantido “o mais alto nível de segurança”. Para dois dispositivos poderem comunicar entre si, através do NFC, é necessário que estejam a poucos centímetros um do outro, ainda que não seja preciso o contacto.

O novo sistema de abertura de carros com chave digital já está disponível para todas as empresas que são membros da CCC, das quais fazem parte fabricantes de automóveis como é o caso da BMW, da Honda e da Toyota. Algumas outras marcas de carros, como a Volvo e a Mercedes, já oferecem este tipo de serviço, apesar que ser uma opção que ainda não foi generalizada.

O consórcio está agora a trabalhar na versão 2.0 da chave digital, cujo lançamento está previsto para o primeiro trimestre do próximo ano. O propósito desta nova versão será padronizar o processo de autenticação entre veículos e dispositivos, com o objetivo de criar uma solução que diminua os custos da implementação da chave digital.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Já não precisa de chave de carro. Basta ter consigo o telemóvel, entrar e conduzir

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião