Quem anda de transportes públicos demora o dobro do tempo do que quem vai de carro ou mota

O automóvel foi o principal meio de transporte utilizado nas deslocações feitas pelos residentes em Lisboa e no Porto. "Falta de frequência ou fiabilidade" dos transportes públicos é um dos motivos.

A maioria dos residentes nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto recorre a um transporte individual para se deslocar no dia a dia, uma escolha que fica a dever-se ao “conforto” e “rapidez” que andar de carro ou de mota proporciona, mas também devido à falta de alternativas nos transportes públicos ou à falta de “fiabilidade” dos mesmos. Certo é que, seja em Lisboa ou no Porto, quem anda de transportes públicos vai demorar mais do dobro do tempo do que quem percorre a mesma distância num transporte individual.

As conclusões são do Instituto Nacional de Estatística (INE), que publicou, esta segunda-feira, os resultados provisórios do inquérito à mobilidade nestas áreas metropolitanas. O inquérito, realizado pelo INE no último trimestre do ano passado, dá conta de que o transporte individual motorizado, sobretudo o automóvel, foi o principal meio de transporte utilizado nas deslocações realizadas pelos residentes em Lisboa e no Porto (59,8% e 69%, respetivamente), considerando todos os dias da semana.

Em ambas as áreas metropolitanas, refere o INE, o transporte individual motorizado só não foi o principal meio de deslocação para quem se dirigia para estabelecimentos de ensino. Por outro lado, as deslocações feitas principalmente a pé ou de bicicleta representaram 18,9% no Porto e 23,5% em Lisboa. Já os transportes públicos foram o principal meio de deslocação para apenas 11,1% na área metropolitana do Porto e para 15,8% em Lisboa. O INE ressalva que “estes resultados estão condicionados pelo elevado número de deslocações a pé, bem como pelo recurso a meios distintos”.

A justificar a preferência pelo transporte individual estão, em primeiro lugar, a “rapidez” e o “conforto” que o mesmo permite. Mas o facto de a rede de transportes públicos não ter ligação direta ao destino, não representar uma alternativa ou não apresentar a “frequência ou fiabilidade necessárias” também são motivos que pesam na decisão de grande parte dos residentes de Lisboa e Porto que têm de deslocar-se.

Em média, as deslocações feitas pelos residentes no Porto tiveram uma duração de 21,8 minutos e uma distância de 10,1 quilómetros, enquanto as que foram feitas pelos residentes em Lisboa demoraram 24,3 minutos, para uma distância de 10,3 quilómetros.

Mas os tempos variam muito consoante o modo de transporte utilizado. Na Área Metropolitana do Porto, andar de automóvel ou de mota demorou uma média de 1,65 minutos por quilómetro. Tendo em conta a distância percorrida em cada um destes casos, os residentes nesta área demoraram uma média de 16,4 minutos a chegar aos destinos quando se deslocaram de carro ou mota. Já quem recorreu a transportes públicos demorou mais do dobro: 3,55 minutos por cada quilómetro percorrido, ou uma média de 45 minutos para concluir a deslocação.

Em Lisboa, os tempos são semelhantes. Quem anda de mota ou carro demora uma média de 1,6 minutos a percorrer um quilómetro, totalizando uma média de 20 minutos por cada deslocação. Já quem anda de transportes públicos demora 3,55 minutos por quilómetro, ou 49 minutos por deslocação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quem anda de transportes públicos demora o dobro do tempo do que quem vai de carro ou mota

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião