Um em cada quatro portugueses já tem seguro de saúde

  • ECO
  • 3 Julho 2018

No mês de março, 2,4 milhões de portugueses tinham um seguro de saúde. Uma subida bastante expressiva desde o final de 2014.

São cada vez mais os portugueses que optam por ter um seguro de saúde, de acordo com os dados da Associação Portuguesa de Seguradores, citados pelo Diário de Notícias (acesso condicionado). No mês de março, um em cada quatro cidadão tinha este tipo de seguro, totalizado 2,4 milhões de pessoas. Isto representa um aumento bastante significativo, tendo em conta que, no final de 2014, eram menos de dois milhões de pessoas.

Esta evolução positiva deve-se, na maioria, às empresas, uma vez que estas apostam nos seguros de grupo. Por sua vez, os individuais tiveram uma subida mais ligeira nestes quatro anos, mantendo-se entre os 850 e os 900 mil beneficiários.

Mas, do lado dos especialistas, este aumento também se deve à procura crescente por serviços privados de saúde. “Há de facto incentivos fortes para recorrer ao privado”, disse o economista Ricardo Paes Mamede, ao DN. “Seja através dos seguros de saúde pagos por empresas — que os usam cada vez mais como opção em vez de aumentos nos salários — ou através da ADSE, e o mais forte deles todos, que é o SNS não conseguir responder ao nível dos tempos de espera e da qualidade expectável”.

Quase 40% da população portuguesa, além de ter acesso ao Serviço Nacional de Saúde, está ainda coberta por um subsistema de saúde público (por exemplo, a ADSE ou a Assistência na Doença aos Militares), privado ou um seguro de saúde (individual ou de grupo). “O SNS é um pilar fundamental do sistema de saúde, que deve ser reforçado. Se o SNS não estiver bem, contagia todo o setor”, sublinha Óscar Gaspar, ex-secretário de Estado da Saúde.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Um em cada quatro portugueses já tem seguro de saúde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião