Deputados do PSD acusam Centeno de inexistência e insucesso durante debate no Parlamento Europeu

  • Lusa
  • 4 Julho 2018

Os eurodeputados José Manuel Fernandes e Paulo Rangel, do PSD, criticaram a atuação de Centeno durante um debate com o presidente do Eurogrupo no Parlamento Europeu.

Os eurodeputados José Manuel Fernandes e Paulo Rangel, do PSD, foram particularmente críticos da atuação de Mário Centeno, durante um debate com o presidente do Eurogrupo no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, acusando-o de inexistência e insucesso.

Num debate centrado na conclusão do terceiro programa de assistência financeira à Grécia, naquela que foi a primeira vez que Centeno discursou no hemiciclo da assembleia europeia desde que tomou posse como presidente do Eurogrupo, em janeiro passado, os dois deputados do PSD que intervieram acusaram-no de não tomar uma posição clara sobre o orçamento da União Europeia pós-2020 e de ter dito, “de forma propagandística”, que o processo de reforma da zona euro em curso está a ser um sucesso, quando é “dececionante”.

Na sua intervenção, José Manuel Fernandes começou por salientar que “o próximo Quadro Financeiro Plurianual (QFP) de 2021 a 2027, os próximos fundos são cruciais, são fundamentais”, para uma Europa coesa, competitiva, segura, mas também para “uma zona euro forte e estável”. “E o senhor presidente do Eurogrupo nesta matéria não tem dito nada, tem sido inexistente”, lamentou, acrescentando que era também “essencial” conhecer a posição do presidente do Eurogrupo sobre uma capacidade orçamental própria da zona euro.

Segundo o deputado, era importante saber, por exemplo, se Centeno “concorda com a proposta do Parlamento Europeu ou com a proposta da Comissão para o próximo QFP”, se “concorda com cortes na política de coesão e seu desvirtuamento” e que “Estados-membros mais ricos até tenham aumentos e Estados-membros mais pobres, como Portugal, tenham cortes”. “Precisávamos de um presidente forte e liderante, e esperamos que tal venha a acontecer”, concluiu.

Intervindo minutos depois, também Paulo Rangel foi muito crítico, afirmando que a conclusão do resgate à Grécia “sem dúvida que é marco importante”, mas acrescentando que, até para reforçar esse êxito, “era preciso reformar zona euro”, e o que aconteceu na última “Cimeira do Euro”, na sexta-feira passada, “foi uma grande deceção”, apesar de Centeno ter dito “de forma propagandística” que era “um grande sucesso”.

Lembrando que estava anunciado um plano para concluir a União Bancária, o líder da delegação do PSD ao PE reforçou que o resultado da cimeira foi “dececionante”, também em relação à capacidade orçamental, num momento crucial em que era possível avançar efetivamente na reforma na zona euro, mas chega-se a julho “sem um roteiro” sequer.

Por fim, questionou Centeno sobre a sua posição, enquanto presidente do Eurogrupo e ministro das Finanças português, relativamente à criação de impostos europeus, “defendida pelo PS português”.

Na sua intervenção final, que concluiu o debate de duas horas no hemiciclo, Mário Centeno voltou a falar apenas do que classificou como o sucesso da conclusão do programa de assistência à Grécia, sem responder às intervenções de José Manuel Fernandes e Paulo Rangel.

Perante estas críticas, o presidente do Eurogrupo escusou-se a comentar. “Não me compete a mim comentar resultados de cimeiras. O Eurogrupo está focado, sabíamos e sabemos que estas reformas são longas, ainda bem que assim é, porque as fazemos com mais cuidado”, argumentou.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Deputados do PSD acusam Centeno de inexistência e insucesso durante debate no Parlamento Europeu

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião