Entre as bombas, Lamborghini é a que mais acelera nas vendas

  • ECO
  • 4 Julho 2018

As vendas de automóveis aumentaram no arranque do ano. A Renault foi a que mais vendeu, mas entre as marcas de luxo o pódio foi para a Porsche. A Lamborghini foi a que mais cresceu.

Renault, Peugeot e Fiat foram as marcas que mais automóveis venderam na primeira metade do ano. Foram o motor das vendas, mas e entre as marcas de luxo? Aquelas que vendem carros que fazem “param o trânsito”? Aí, o pódio vai para a Porsche. Foi, de longe, a que mais carro pôs nas estradas nacionais, mas a que viu as suas vendas acelerarem mais rápido foi a marca do touro.

De acordo com os dados da ACAP, foram comercializados 153.869 veículos nos primeiros seis meses deste ano, 134.506 dos quais de passageiros, um número que já não se observava desde 2007. Destes, as marcas francesas, bem como a italiana Fiat, representaram quase um terço do total (31%). Destacaram-se no topo da lista, mas no fundo também há casos para destacar. A Porsche é um desses.

A fabricante do 911 vendeu menos nestes seis meses, considerando os dados da ACAP que, diz a marca, não refletem a totalidade das unidades da Porsche vendidas. Foram menos cinco, mas mesmo assim contam-se 109 novos Porsche nas estradas lusas. Aston Martins, com três, e Maserati, com 28 carros, também viram os seus números cair. Em sentido contrário, a Lamborghini brilhou.

Foram vendidos apenas quatro carros da marca do touro, que conta com modelos como o Aventador ou o Huracán, mas este número compara com apenas um destes superdesportivos comercializados no mesmo período do ano passado. Ou seja, registou um crescimento de 300%, um poder de aceleração nas vendas que ninguém conseguiu bater. A Bentley duplicou as unidades vendidas, enquanto a Ferrari vendeu mais 9,1%. Foram 12.

Sem variação, a Alpine também merece destaque. A mítica marca de superdesportivos começou a comercializar o A110, um modelo de dois lugares com muitos cavalos para acelerar. No total dos seis meses, a marca francesa conseguiu vender oito unidades, sendo que sete destas foram todas vendidas em junho.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Entre as bombas, Lamborghini é a que mais acelera nas vendas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião