E vão quatro. Porto i/o abre mais um espaço de cowork na Invicta

Em quatro anos, quatro espaços de cowork. A Porto i/o acrescenta, esta terça-feira, mais um escritório partilhado à sua rede. Desta vez, no coração da Invicta e com um amplo espaço para eventos.

Quase quatro anos depois de ter aberto o seu primeiro escritório partilhado, a Porto i/o inaugura, esta terça-feira, o seu quarto espaço de cowork. O novo espaço fica localizado na conhecida Rua de Santa Catarina, no coração do Porto, e acrescenta 16 lugares de trabalho e um amplo espaço para eventos à rede da startup portuguesa.

Em declarações ao ECO, Luís Gomez (representante da empresa) explica que o novo espaço vai permitir à Porto i/o ultrapassar os 100 membros mensais. Até agora, com os três escritórios de que já dispunha (um em Matosinhos e dois no Porto), a empresa não tinha conseguido superar essa meta, já que em cada espaço apenas estão disponíveis 20 a 30 lugares de trabalho. O caso muda, contudo, de figura agora que a startup conta com este novo cowork… e já há sinais de que esta pode ser mais uma aposta ganha. Ainda que a sua inauguração esteja marcada só para o fim desta tarde, o espaço está “quase lotado”, garante o responsável.

Quanto ao investimento implicado neste novo espaço, Gomez não adianta um valor, porque ainda “não está concluído”. O que avança é que a nova localização da Porto i/o inclui um amplo espaço para eventos e workshops, porque nos últimos meses este tipo de atividades triplicou, revelando a necessidade de um lugar para tal.

E sair do distrito? O responsável sublinha que Lisboa “não está na equação” e reforça: “Sabemos como está o mercado e não nos é propriamente atrativo”. Por isso, Gomez salienta que é no Porto que a empresa em causa continuará a apostar. “Enquanto houver espaço no Porto, vamos crescer por cá”, conclui.

A Porto i/o já oferecia três espaços de cowork: um na Rua Dom Infante Henrique, outro na Rua Cândido dos Reis (ambos na Invicta) e um terceiro em Matosinhos. Os preços de utilização destes espaços variam de 12,5 euros por um único dia e 130 euros por um mês.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

E vão quatro. Porto i/o abre mais um espaço de cowork na Invicta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião