Estado paga mais a ex-diretores do BPN do que a Marcelo ou Costa

  • ECO
  • 17 Julho 2018

De acordo com a auditoria da Inspeção Geral das Finanças à Parvalorem, além dos salários, há ainda "falhas processuais" em matéria de "análise da carteira de crédito e dos perdões de dívida".

Os ex-gestores do BPN recebem mais do Estado do que o próprio Presidente da República ou o primeiro-ministro, de acordo com o relatório final da auditoria da Inspeção Geral das Finanças (IGF) à Parvalorem, adianta o Público (acesso condicionado). Um dos problemas encontrados está na tabela salarial, onde constam duas pessoas a receber mais de dez mil euros mensais: Armando Pinto e Carlos Venda.

A auditoria levada a cabo pela IGF alerta para falhas na tabela salarial que vigora na Parvalorem, o veículo público que gere cerca de três mil milhões de euros de ativos tóxicos do BPN, com dois diretores com vencimentos em torno dos 12,6 mil euros: Armando Pinto, diretor de assuntos jurídicos entre 1989 e 2002 do BPN que, atualmente, exerce o mesmo cargo na Parvalorem; e Carlos Venda, responsável pela área de Tecnologias de Informação e Logística, em ambas as entidades.

Estes valores comparam com o salário de Marcelo Rebelo de Sousa, que aufere 6.700 euros brutos mensais, mais 25% em despesas de representação, num total de 8.375 euros. No bolo dos salários da Parvalorem, destaque ainda para 13 quadros com remunerações entre os cinco e os dez mil euros, valores acima do que recebe António Costa — 4.900 euros.

Para além disso, o relatório revela ainda um padrão de atuação com falhas diversas na Parvalorem que, apesar do seu estatuto de empresa pública, esta não submeteu ao Tribunal de Contas (TC) “aquisições de bens e serviços superiores ao limite fixado de 350 mil euros“. Somadas estão também “falhas processuais” em matéria de “análise da carteira de crédito e dos perdões de dívida”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estado paga mais a ex-diretores do BPN do que a Marcelo ou Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião