Greves aterram aviões, mas easyJet fatura mais

  • Lusa e ECO
  • 18 Julho 2018

Apesar dos mais de 2.000 voos cancelados no terceiro trimestre, a companhia low-cost conseguiu aumentar as receitas em 14%.

Foram mais de mil os voos cancelados pela easyJet só no mês de junho mas, pelo que a empresa indica, não foi assim tão afetada. De acordo com os dados revelados pela companhia britânica, as receitas aumentaram neste terceiro trimestre, batendo os 1,8 mil milhões de euros. Neste sentido, as estimativas apontam para lucros anuais entre os 618 e os 663 milhões de euros.

A companhia low-cost faturou 1,6 mil milhões de libras (1,8 mil milhões de euros) entre abril e junho, mais 14% do que no trimestre anterior. Relativamente à receita complementar — conseguida através da reserva de lugares ou do transporte de mais bagagem, por exemplo –, essa teve um acréscimo de 21,1% para 328 milhões de libras (371 milhões de euros).

No mesmo período, os passageiros transportados pela easyJet aumentaram 9,3% para 24,4 milhões, relacionando-se com o aumento da capacidade da companhia de 8,9% para 26,2 milhões de assentos, indicam os mesmos dados. Por sua vez, a taxa de ocupação subiu 0,3 pontos percentuais para 93,4%.

Conforme afirmou à Lusa o presidente executivo, Johan Lundgren, a low-costapresentou um forte desempenho durante o terceiro trimestre, impulsionado pela crescente procura“. “A companhia continua a ganhar força”, continuou.

Para este exercício fiscal de 2018, a easyJet estima que o lucro antes de impostos aumente para entre 550 e 590 milhões de libras (622 a 667 milhões de euros), sendo que, para o período fiscal do ano anterior, os valores fixaram-se entre 380 e 420 milhões de libras (429 e 474 milhões de euros).

Contudo, apesar destas melhorias, a companhia defende que as recentes greves, “que têm vindo a ocorrer por toda a Europa”, contribuem de forma negativa para estes resultados, nomeadamente dos controladores de tráfego aéreo, que se refletem “na receita, no custo e no desempenho operacional”. No total, foram 2.606 os voos cancelados no terceiro trimestre, que comparam com os 314 do mesmo período do ano passado.

A justificação para esses cancelamentos foi dada pela paralisação dos controladores de tráfego aéreo franceses, as restrições causadas pela falta deste pessoal, mas também pelas “condições meteorológicas adversas”.

Os resultados referentes ao terceiro trimestre são apresentados à imprensa esta quarta-feira, durante o evento internacional de aeronáutica de Farnborough, no Reino Unido. Ainda no mesmo dia, a companhia britânica vai apresentar o novo easyJet Airbus A321neo, com capacidade para 235 pessoas, estando previstas para entrega 30 unidades. Estas aeronaves vêm substituir as A320, permitindo aumentar em cerca de 30% os lugares nos voos.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Greves aterram aviões, mas easyJet fatura mais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião