Meio milhão em donativos para Pedrógão Grande foram desviados

  • ECO
  • 19 Julho 2018

Uma investigação da Visão expôs um esquema em que proprietários alteraram a morada fiscal meses após o incêndio de Pedrógão Grande para beneficiarem dos donativos. Cerca de meio milhão foi desviado.

Cerca de meio milhão de euros podem ter sido desviados para obras não urgentes e secundárias, na sequência do incêndio de junho de 2017 em Pedrógão Grande, revelou uma investigação da Visão. A revista garante que terão sido recuperadas casas que não eram de primeira habitação, outras que estavam desabitadas e, em alguns casos, habitações que nem sequer terão sido afetadas pelas chamas.

Em causa terá estado um esquema que se aproveitou dos critérios para se aceder aos apoios à reconstrução. Segundo conta a revista, as regras não definiam que a morada válida era a da data da ocorrência do incêndio, pelo que alguns proprietários terão alterado as respetivas moradas fiscais nas Finanças meses depois do fogo, para casas de férias na região ou locais abandonados.

Num dos casos, a morada fiscal terá sido alterada três meses depois da tragédia em Pedrógão Grande e, segundo a revista, há mesmo um caso em que a morada fiscal do proprietário que beneficiou dos donativos foi alterada já em fevereiro deste ano.

Ana Abrunhosa, presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), admite que podem ter sido intervencionadas casas que nem sequer arderam no fogo de Pedrógão Grande, que matou dezenas de pessoas e destruiu centenas de habitações na região de Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos. No entanto, garante que o trabalho tem sido feito com transparência e clareza.

Já depois da publicação desta investigação, a Antena 1 confirmou junto da CCDRC que estas suspeitas e eventuais denúncias vão ser encaminhadas para o Ministério Público. Além disso, de acordo com a revista Visão, será a própria presidente, Ana Abrunhosa, a fazer seguir os sete casos para as mãos dos procuradores. O ECO contactou a Procuradoria-Geral da República e questionou se vai ser aberto um inquérito, mas ainda não foi possível obter resposta.

(Notícia atualizada às 12h31 com mais informações)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Meio milhão em donativos para Pedrógão Grande foram desviados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião