Meio milhão em donativos para Pedrógão Grande foram desviados

  • ECO
  • 19 Julho 2018

Uma investigação da Visão expôs um esquema em que proprietários alteraram a morada fiscal meses após o incêndio de Pedrógão Grande para beneficiarem dos donativos. Cerca de meio milhão foi desviado.

Cerca de meio milhão de euros podem ter sido desviados para obras não urgentes e secundárias, na sequência do incêndio de junho de 2017 em Pedrógão Grande, revelou uma investigação da Visão. A revista garante que terão sido recuperadas casas que não eram de primeira habitação, outras que estavam desabitadas e, em alguns casos, habitações que nem sequer terão sido afetadas pelas chamas.

Em causa terá estado um esquema que se aproveitou dos critérios para se aceder aos apoios à reconstrução. Segundo conta a revista, as regras não definiam que a morada válida era a da data da ocorrência do incêndio, pelo que alguns proprietários terão alterado as respetivas moradas fiscais nas Finanças meses depois do fogo, para casas de férias na região ou locais abandonados.

Num dos casos, a morada fiscal terá sido alterada três meses depois da tragédia em Pedrógão Grande e, segundo a revista, há mesmo um caso em que a morada fiscal do proprietário que beneficiou dos donativos foi alterada já em fevereiro deste ano.

Ana Abrunhosa, presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), admite que podem ter sido intervencionadas casas que nem sequer arderam no fogo de Pedrógão Grande, que matou dezenas de pessoas e destruiu centenas de habitações na região de Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos. No entanto, garante que o trabalho tem sido feito com transparência e clareza.

Já depois da publicação desta investigação, a Antena 1 confirmou junto da CCDRC que estas suspeitas e eventuais denúncias vão ser encaminhadas para o Ministério Público. Além disso, de acordo com a revista Visão, será a própria presidente, Ana Abrunhosa, a fazer seguir os sete casos para as mãos dos procuradores. O ECO contactou a Procuradoria-Geral da República e questionou se vai ser aberto um inquérito, mas ainda não foi possível obter resposta.

(Notícia atualizada às 12h31 com mais informações)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Meio milhão em donativos para Pedrógão Grande foram desviados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião