Resultados da Microsoft não chegaram para animar Wall Street

  • Marta Santos Silva
  • 20 Julho 2018

As tendências protecionistas de Donald Trump e os seus comentários regulares sobre o tema continuam a deixar os investidores receosos, mesmo num dia em que a Microsoft bateu recordes.

Mais ameaças de tarifas sobre os produtos chineses vindas da boca do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, mais receios protecionistas por parte dos investidores na bolsa norte-americana. Apesar dos resultados favoráveis da Microsoft, os principais indicadores em Nova Iorque mal se mexeram, acabando por terminar a semana um pouco abaixo da linha de água.

O índice de referência S&P 500 perdeu 0,1% para os 2.801,82 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq perdeu 0,07% para os 7.820,20 pontos. Também o Dow Jones, o índice industrial, pouco se alterou: desvalorizou 0,03%, para os 25.058,06 pontos.

As ações da Microsoft alcançaram recordes durante o dia porém, subindo 2% após ótimos resultados do segundo trimestre que mostraram a empresa a dar-se melhor do que os analistas anteviam. Foi a tecnológica de Bill Gates que mais impulsionou os três índices ao longo do dia, mas não foi suficiente.

Além dos seus comentários sobre a China, Donald Trump também optou por voltar a criticar a intenção da Reserva Federal dos Estados Unidos, ou Fed, de aumentar as taxas de juro. “Um presidente que comenta a Fed é pouco convencional”, disse à agência Reuters o analista David Carter, da Lenox Wealth Advisors. “Um pouco de inconvencionalidade é bom, mas quando é demasiado pode fazer uma grande confusão. E é esta segunda fase que está a surgir, com os comentários sobre Putin, tarifas e a Fed”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Resultados da Microsoft não chegaram para animar Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião