Mesmo com multa recorde, lucros da casa-mãe da Google crescem 40%

  • Lusa
  • 24 Julho 2018

Acionistas da Alphabet, casa-mãe da Google, recebessem dividendos, relativos ao semestre entre janeiro e junho, de 17,89 dólares por ação, mais 40% do que no mesmo período de 2017.

O grupo Alphabet, holding que inclui a Google, apresentou esta segunda-feira um lucro no primeiro semestre do ano de 12,596 mil milhões de dólares, mais 40% do que o registado no mesmo período do ano passado.

A entidade registou nos primeiros seis meses uma faturação de 63,803 mil milhões de euros (54,6 mil milhões de euros), uma variação homóloga de 25,7%.

Os resultados da Alphabet já refletem a multa aplicada na semana passada pela Comissão Europeia, de 5,07 mil milhões de euros, por utilizar o seu sistema operativo Android para reforçar a posição de domínio do motor de busca Google.

Devido à importância da multa, que aumentou consideravelmente os custos da Alphabet nestas contas semestrais, o seu resultado operacional situou-se em 9,808 mil milhões de dólares, abaixo dos 10,7 mil milhões que apresentou no mesmo semestre de 2017.

Em relação aos números correspondentes ao segundo trimestre do seu exercício de 2018, que vai de abril a junho, a Alphabet registou um lucro de 3,195 mil milhões de dólares, quantidade ligeiramente inferior à do mesmo período do ano anterior, quando registou 3,524 mil milhões de dólares.

Os rendimentos do conglomerado nestes três meses totalizaram 32,657 mil milhões de dólares, acima dos homólogos 26,01 mil milhões.

Este desempenho permitiu que os acionistas da Alphabet recebessem dividendos, relativos ao semestre entre janeiro e junho, de 17,89 dólares por ação, mais 40% do que no mesmo período de 2017, quando embolsaram 12,74 dólares por título.

A diretora-geral de finanças da Alphabet, Ruth Porat, mostrou a sua satisfação com a “atuação muito robusta” do grupo no trimestre. “Os nossos investimentos estão a permitir grandes experiências para os utilizadores, sólidos resultados para os anunciantes e novas oportunidades de negócio para a Google e a Alphabet”, acrescentou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mesmo com multa recorde, lucros da casa-mãe da Google crescem 40%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião