Depois da multa à Google, Trump arrasa Bruxelas: “UE está a aproveitar-se dos EUA, mas não por muito tempo”

Donald Trump arrasou Bruxelas e disse que a UE "está a aproveitar-se" dos EUA com a multa de 4,3 mil milhões de euros à Google, "mas não por muito tempo". Condenação poderá escalar tensões comerciais.

A multa da Comissão Europeia à Google está a ganhar contornos políticos. Esta quinta-feira, o Presidente Donald Trump apontou baterias a Bruxelas: “Eu bem avisei! A União Europeia atirou uma multa de cinco mil milhões de dólares a uma das nossas excelentes empresas, a Google. Eles estão mesmo a aproveitar-se dos Estados Unidos, mas não por muito tempo!”, escreveu o chefe de Estado no Twitter.

A Google foi condenada na União Europeia (UE) a pagar 4,3 mil milhões de euros pela prática de atos anticoncorrenciais com o sistema operativo Android, presente em mais de dois mil milhões de dispositivos móveis em todo o mundo. A multinacional vai recorrer da decisão mas, a efetivar-se, o montante será distribuído pelos Estados-membros em percentagem do que cada país contribui para o orçamento comunitário.

Mas as acusações de Bruxelas terão gerado desconforto na Casa Branca. E o ataque de Donald Trump surge uma semana antes de o Presidente reunir com o líder da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker. A avaliar pela mensagem de Trump, o assunto deverá fazer parte da agenda do encontro e tem potencial para fazer escalar as tensões comerciais entre os Estados Unidos e o bloco.

A União Europeia está a investigar várias multinacionais e suspeita que algumas das maiores tecnológicas norte-americanas não estão a cumprir as regras europeias em matérias concorrenciais ou mesmo fiscais. Concretamente em relação à Google, a Comissão Europeia deu como provadas três práticas anticoncorrenciais assentes no sistema Android, incluindo pagamentos a fabricantes de telemóveis para garantir a exclusividade do sistema nos modelos produzidos.

Numa resposta enviada após o anúncio da decisão, a Google veio rejeitar todas as acusações e garantir que vai recorrer da sentença. “O Android criou mais escolha para todos, não menos. Um ecossistema vibrante, inovação rápida e queda dos preços são sinais clássicos de uma concorrência robusta. Vamos recorrer da decisão da Comissão”, disse ao ECO fonte oficial da empresa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois da multa à Google, Trump arrasa Bruxelas: “UE está a aproveitar-se dos EUA, mas não por muito tempo”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião