Rio diz que entrevista de Centeno mostra que discurso do Governo “não é verdade”

  • Lusa
  • 24 Julho 2018

Presidente do PSD considerou hoje que as declarações do ministro das Finanças na segunda-feira mostram que o discurso oficial do Governo do milagre económico e do fim da austeridade "não é verdade".

O presidente do PSD, Rui Rio, considerou esta terça-feira que as declarações do ministro das Finanças na segunda-feira mostram que o discurso oficial do Governo do milagre económico e do fim da austeridade “não é verdade”.

“O que ele [o ministro das Finanças, Mário Centeno] está a dizer é que o discurso oficial do Governo não é verdade. Porque agora faz uma coisa exatamente ao contrário. Na hora da verdade, não tem dinheiro para isto, não tem dinheiro para aquilo, não tem dinheiro para aqueloutro”, disse Rui Rio, que reagia à entrevista do ministro das Finanças ao Público na segunda-feira na qual advertiu os partidos de que “não é possível pôr em causa a sustentabilidade de algo que afeta todos, só por causa” da contabilização do tempo de serviço dos professores.

Rui Rio referiu-se ao “discurso do Governo” do “milagre económico”, de que “a economia está fantástica, que a austeridade acabou” para concluir que, na entrevista, o ministro das Finanças “está a dizer que nada disso é verdade”.

“O nosso povo costuma dizer que ‘se apanha mais depressa um mentiroso do que um coxo’ e o discurso oficial do Governo do milagre económico e de que acabou a austeridade está comprovado que não é assim”, sustentou.

Apesar disso, o líder social democrata manifestou-se de acordo com a posição de Centeno, considerando que o Orçamento do Estado “tem de ser uma peça equilibrada e Portugal não pode voltar a cometer os erros que cometeu no passado”.

“Uma coisa é termos isso em atenção, que é o que decorre da entrevista. Outra coisa é em que medida a entrevista e o discurso da entrevista batem certo com o discurso oficial do Governo, que promete aquilo que não pode prometer, em que se compromete com aquilo que não se pode comprometer, em que dá esperanças às pessoas e a determinadas camadas profissionais que depois não está capaz de dar”, vincou.

Para Rui Rio, “metade do Governo está a fazer o discurso de uma maneira e outra metade a fazer de outra”.

O líder do PSD falava aos jornalistas no final de uma visita aos Jogos Europeus Universitários 2018, que decorrem em Coimbra.

Questionado sobre a desvinculação da Câmara do Porto, liderada por Rui Moreira, das decisões da Associação Nacional de Municípios Portugueses, devido ao acordo de descentralização feito com o Governo, Rui Rio optou por não comentar aquele caso concreto, frisando apenas que a transferência de competências para as autarquias “não é nada de obrigatório neste mandato autárquico”.

“As câmaras que quiserem assumem as competências e correspondentes envelopes financeiros, as câmaras que não quiserem não assumem. A obrigatoriedade é apenas a partir do próximo ato eleitoral”, acrescentou, sublinhando que é “muito difícil arranjar uma decisão mais equilibrada e sensata” do que o acordo de descentralização feito com o Governo.

“Quem não gosta não gosta”, salientou, referindo que as autarquias que achem que o dinheiro é pouco “não aceitam” a transferência de competências.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rio diz que entrevista de Centeno mostra que discurso do Governo “não é verdade”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião