Maioria dos bancos decidiu amortizar os juros negativos já na próxima prestação

  • ECO
  • 26 Julho 2018

Os últimos dias na banca têm sido marcados pela preparação para a aplicação da Euribor negativa. Até agora, a maioria dos bancos decidiu amortizar o capital em dívida na próxima revisão da prestação.

Faz precisamente esta quinta-feira uma semana que a legislação que obriga as instituições bancárias a aplicarem juros negativos no crédito à habitação entrou em vigor. Agora, falta saber como é que os bancos vão proceder, das duas uma: ou amortizam o capital em dívida na próxima revisão da prestação ou criam um crédito a favor do cliente a ser deduzido aos juros futuros (quando estes passarem a positivos).

Para já, a primeira opção vai ganhando maior expressão entre a banca. A maioria dos bancos, incluindo o Banco Comercial Português e o Banco Português de Investimento (BPI), decidiram deduzir os valores negativos ao capital em dívida a cada prestação. “Vamos amortizar mês a mês”, adiantou uma fonte oficial do BCP ao Jornal de Negócios, sem revelar o motivo da decisão.

Uma fonte oficial do BPI, também sem o justificar, garantiu ao Negócios que o banco “optou pelo desconto na prestação futura, ou seja, vai refletir a Euribor negativa no capital do cliente”. De acordo com uma fonte do Bankinter, neste banco foi tomada a “decisão de utilizar o montante de juros negativos na amortização do capital em dívida, o que se reflete logo no valor da prestação seguinte”, um processo que será implementado dentro do prazo definido pela nova lei.

Apesar de alguns bancos já terem tomado uma decisão, outros, como a Caixa Geral de Depósitos e o Montepio, ainda estão a analisar qual a melhor forma de proceder. O Santander Totta, o Novo Banco e o EuroBic ainda não se pronunciaram relativamente a este assunto. Do lado oposto está o Crédito Agrícola, que preferiu constituir uma “bolsa de juros”.

Os últimos dias têm sido marcados, nas instituições bancárias nacionais, pela preparação para a aplicação da Euribor negativa. Desde a passada quinta-feira, dia 19 de junho, que os bancos tiveram um prazo, que ainda não terminou, de dez dias para apurar o valor resultante da soma do indexante com o “spread”. Caso este valor seja negativo, devem, segundo o Banco de Portugal, “adotar as diligências necessárias para assegurar a dedução desse valor ao capital em dívida na prestação vincenda subsequente ou, se for essa a sua opção, para que seja constituído um crédito a favor do cliente”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Maioria dos bancos decidiu amortizar os juros negativos já na próxima prestação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião