Governo vai lançar concurso para novos comboios e desmente privatização da CP

O gabinete de Pedro Marques negou que esteja a ser ponderada a privatização de serviços da CP. Esclarece ainda que vai lançar um concurso internacional para desenvolver a empresa nas várias frentes.

“Fantasiosa” é a palavra usada pelo Governo para classificar uma eventual intenção de privatizar a CP. O gabinete de Pedro Marques, ministro do Planeamento e das Infraestruturas, desmentiu a manchete do Público deste domingo que dava conta que o Governo tinha deixado de fora o reforço do longo curso, colocando a possibilidade de tal resultar de uma eventual intenção de privatizar a CP. O ministério avança mesmo que vai lançar um concurso internacional para desenvolver a empresa nas várias frentes em que opera: serviços suburbanos, regionais e longo curso.

Num esclarecimento enviado às redacções, o gabinete de Pedro Marques afirma que CP e Governo estão a preparar o lançamento de um concurso internacional para aquisição de comboios que permita o desenvolvimento da empresa “nas várias frentes em que opera: serviços suburbanos, regionais e longo curso”.

“O lançamento desse concurso está previsto no Orçamento do Estado para 2018 e resulta de uma proposta apresentada pelo atual Conselho de Administração da CP, cuja concretização tem vindo a ser desenvolvida em coordenação com o Governo”, esclarece ainda o gabinete de Pedro Marques.

O Governo diz ainda que “tendo em conta a tramitação temporal normalmente associada a este tipo de aquisições, a CP e o Governo entenderam manter o programa de aluguer de material circulante a Espanha, de forma a suprir as necessidades de curto no serviço regional”. Acrescenta que “em simultâneo, a CP está a investir fortemente na manutenção do material circulante, através da reestruturação da EMEF, para a qual acaba de ser autorizado o recrutamento de 102 trabalhadores”.

Este desmentido surge depois de neste domingo, o Público ter escrito que o Governo tem travado várias soluções que poderiam melhorar o serviço de longo curso da CP. O jornal referia que o caderno de encargos da anterior administração da CP, liderada por Miguel Queiró, previa a aquisição de 35 comboios, dos quais dez para as ligações internacionais e para “o serviço de alta qualidade nacional”, mas que o Governo não deu seguimento a essa proposta, autorizando apenas a compra de 22 comboios para o serviço regional.

O Jornal associou essa recusa a uma eventual intenção de o Ministério de Pedro Marques em privatizar serviços de longo curso da CP, salientando que a liberalização do serviço ferroviário de passageiros terá aberto o mercado português às empresas estrangeiras, explica o jornal, nomeadamente, à Renfe, mas também à DB (através da Arriva), à SNCF e até a operadores portugueses de que a Barraqueiro é um exemplo.

O gabinete de Pedro Marques nega essa associação. “É completamente fantasiosa a notícia”, começa por dizer o comunicado, acrescentando ser “completamente fantasioso […] o cenário de privatização de qualquer atividade da CP que enquadra a notícia”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo vai lançar concurso para novos comboios e desmente privatização da CP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião