Avaliação que os bancos fazem das casas atinge máximo da década. Metro quadrado está nos 1.180 euros

O valor da avaliação bancária subiu para 1.180 euros por metro quadrado em junho. Atingiu o valor mais elevado desde, pelo menos, setembro de 2008.

O preço a que os bancos avaliam as casas para efeitos de concessão de crédito não para de aumentar. O valor da avaliação bancária atingiu, em média, os 1.180 euros por metro quadrado em junho, um máximo da última década.

Os dados são do Instituto Nacional de Estatística (INE), que revela que o valor médio de avaliação bancária, de 1.180 euros em junho, representa um aumento de 0,3% relativamente a maio e de 6,1% face ao mesmo mês do ano passado. Em maio, tinha ficado nos 1.178 euros, quando no mesmo mês de 2017 estava nos 1.112 euros.

Junho foi o 15.º mês consecutivo de aumento dos preços, levando-os para o nível mais elevado desde pelo menos setembro de 2008, o dado mais antigo disponibilizado pelo gabinete público de estatísticas. Evolução de preços que atesta o boom que afeta o mercado imobiliário, com vendas a crescerem e o crédito para compra de habitação também em forte crescimento.

Avaliação das casas em máximos

Fonte: INE

Só na primeira metade do ano, o preço do metro quadrado em Portugal já aumentou 30 euros, um crescimento de 2,6%. Em termos práticos, tal significa que um imóvel de 100 metros quadros custa hoje mais 3.000 euros do que no final do ano passado.

Por tipologias, os apartamentos comandam tanto no que respeita à variação dos preços como no valor do metro quadrado. O valor médio de avaliação bancária deste tipo de imóveis subiu seis euros em junho, para 1.238 euros por metro quadrado. No caso das moradias, a subida foi de três euros para os 1.077 euros por metro quadrado.

Lisboa comanda subidas. Algarve é o mais caro

Em termos geográficos, Lisboa destaca-se com o maior aumento de preços, quer entre mais e junho como no acumulado do ano. Em junho, o preço do metro quadrado na Área Metropolitana de Lisboa era avaliado pelos bancos a 1.447 euros. Este valor está 19 euros (1,33%) acima dos 1.428 euros registados em maio e 55 euros (3,95%) face aos 1.392 euros verificados no final do ano passado. É também o nível de preços mais elevado desde abril de 2010.

O Algarve também se destaca nas subidas. O preço do metro quadrado fixou-se em junho nos 1.503 euros por metro quadrado. São mais 16 euros (1,08%) face ao registado em maio e 52 euros (3,58%) acima dos valores que vigoravam em dezembro do ano passado. A região mais a sul do país tem atualmente o preço por metro quadrado mais elevado do país. O nível atual de preços naquela região é o mais elevado em quase uma década. Seria necessário recuar até outubro de 2008 para assistir a um valor mais elevado.

A única região a contrariar o movimento de subida da avaliação bancária foram os Açores. Em junho, os preços no arquipélago recuaram 21 euros por metro quadrado, para os 1.035 euros. Em maio, a média foi de 1.056 euros. Já face ao final do ano passado, verifica-se um movimento de subida nessa região. Aumentaram 36 euros, entre dezembro e junho deste ano.

(Notícia atualizada às 11h45)

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Avaliação que os bancos fazem das casas atinge máximo da década. Metro quadrado está nos 1.180 euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião