Consumidores estão menos confiantes, mas otimismo das empresas está máximos de 16 anos

Perspetivas dos consumidores quanto à evolução do desemprego e da situação económica do país, mas os empresários mantêm-se otimistas.

O indicador de confiança dos consumidores diminuiu em julho, depois de ter alcançado o seu valor mais alto em maio, numa altura em que se agravam as perspetivas relativas à evolução do desemprego e à situação económica do país. Em sentido contrário, o indicador de clima económico, que mede a confiança dos empresários, voltou a aumentar, desta vez para o valor mais elevado desde maio de 2002.

Os dados foram publicados, esta segunda-feira, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), que dá conta de que a “a redução do indicador de confiança dos consumidores em julho resultou do contributo negativo de todas as componentes, destacando-se as perspetivas relativas à evolução do desemprego e da situação económica do país”.

Isto depois de, em maio, o indicador de confiança dos consumidores ter aumentado pelo terceiro mês consecutivo e para o valor mais elevado da série do INE, reflexo, nessa altura, das perspetivas positivas quanto à evolução do desemprego e da situação financeira do agregado familiar.

Quanto às empresas, os indicadores de confiança aumentaram na indústria transformadora e nos serviços, tendo diminuído de forma ligeira na construção e obras públicas e no comércio.

A contribuir para o aumento da confiança no setor da indústria transformadora estão as perspetivas de produção, enquanto nos serviços os empresários mantêm perspetivas positivas relativamente à atividade da empresa e à carteira de encomendas, um sentimento que se mantém desde abril de 2016.

Já na construção, foi interrompido o ciclo de subidas do sentimento económico que se verificava desde julho de 2012, com um contributo negativo da carteira de encomendas.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Consumidores estão menos confiantes, mas otimismo das empresas está máximos de 16 anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião