É urgente aumentar construção nova em Lisboa e Porto, dizem mediadores imobiliários

  • Lusa
  • 23 Junho 2018

APEMIP descarta bolha imobiliária, mas apela ao aumento da construção nova em Lisboa e no Porto, para que haja um "equilíbrio de preços".

A Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) considerou, este sábado, “urgente” o aumento de ‘stock’ no mercado imobiliário em Lisboa e no Porto, através de construção nova, para que haja um “equilíbrio de preços”.

“Nunca vai haver uma bolha imobiliária, porque os nossos preços, comparando com a Europa, são muito diferentes. Agora, há pequenas bolhinhas nalgumas zonas, nomeadamente de Lisboa e Porto, que preocupam, porque os preços estão a subir mais do que aquilo que é razoável”, declarou à agência Lusa o presidente da APEMIP, Luís Lima.

Na perspetiva do representante dos mediadores imobiliários, “só o Estado, seja através do Estado central ou das autarquias, é que pode atenuar este crescimento de preços”, que se verifica em algumas zonas das cidades de Lisboa e do Porto, apostando em construção de nova habitação a preços acessíveis.

Atualmente, o mercado imobiliário está interligado com o crescimento do turismo, advogou Luís Lima, indicando que “o próprio imobiliário fideliza o turista” e leva-o a adquirir uma residência em Portugal.

Neste sentido, o fenómeno do turismo residencial, que antigamente só acontecia no Algarve, tem hoje “uma dimensão muito grande” em Lisboa e no Porto, mas está também a ser sentido em outras cidades do país, adiantou o presidente da APEMIP.

Reconhecendo que “a pressão turística tem sido grande” e que tem afetado o setor da habitação, o representante dos mediadores imobiliários lembrou que há uns anos os prédios das zonas centrais de Lisboa e do Porto estavam devolutos, referindo que, com a atual reabilitação do edificado destas cidades, a procura subiu, mas os preços praticados afastaram os moradores para os concelhos periféricos.

De acordo com Luís Lima, o mercado imobiliário vai registar este ano “um crescimento de cerca de 30%”, destacando-se o aumento do investimento nacional, potenciado pelo investimento estrangeiro que “acabou por contaminar positivamente e criar confiança” no setor.

O imobiliário, juntamente com o turismo, está a ser o motor da economia nacional”, reforçou o responsável da APEMIP, alertando para o problema de ‘stock’ de imóveis, em que se regista “muita procura e pouca oferta”, que não se resolve travando a procura, mas sim aumentando a oferta.

Para o representante dos mediadores imobiliários, “a reabilitação do edificado não chega”, é necessário investir em construção nova em Lisboa e no Porto.

“Não havia necessidade de ir para as periferias, porque mesmo no centro da cidade de Lisboa, não no sítio mais central, por exemplo, na freguesia dos Olivais há muitos terrenos onde se pode construir habitação nova”, avançou Luís Lima, considerando que assim pode existir um equilíbrio de preços.

Preocupado com o “crescimento abrupto de preços” nos centros de Lisboa e do Porto, que “acaba por contaminar todo o mercado”, o presidente da APEMIP disse que tais valores são “insuportáveis” para a maioria das famílias portuguesas, acrescentando que, no geral, verifica-se um aumento na ordem dos 7% no preço dos imóveis, o que “é perfeitamente razoável”.

“Os nossos preços em relação ao resto da Europa são muito mais baixos: são metade de Madrid, um quarto de Paris, um oitavo de Londres, só que o rendimento dos portugueses não é igual ao dos espanhóis, dos franceses, dos ingleses”, sublinhou o representante dos mediadores imobiliários em Portugal, apelando ao “bom senso” quando se fazem comparações.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

É urgente aumentar construção nova em Lisboa e Porto, dizem mediadores imobiliários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião