Portugal e Espanha no bom caminho para cumprir meta de descarbonização

  • Lusa
  • 31 Julho 2018

Os dois países estão também a desenvolver estratégias de "transição energética" para descarbonizar durante a década de 2030, em linha com os objetivos fixados pela União Europeia.

Portugal e Espanha estão bem posicionados para cumprir os objetivos de descarbonização fixados para 2020, e deverão conseguir descarbonizar o mercado da energia até 2030, refere um relatório divulgado esta terça-feira pela agência de rating Moody´s.

O documento da agência de análise de risco com o título “Mercados de eletricidade europeus: na Iberia, as políticas de descarbonização vão conduzir à evolução dos mercados de energia em 2030”, refere a evolução esperada nas energias renováveis, no aquecimento e arrefecimento e nos transportes.

“A penetração das renováveis em Espanha e Portugal permanece ligeiramente abaixo da meta de descarbonização para 2020, mas a combinação do aumento da capacidade de produção das renováveis, com o progresso nos setores do aquecimento e arrefecimento e dos transportes deverá ultrapassar” a diferença ainda existente relativamente ao objetivo, defende o vice-presidente da Moodys’s, Niel Bisset.

Os dois países estão também a desenvolver estratégias de “transição energética” para descarbonizar durante a década de 2030, em linha com os objetivos fixados pela União Europeia. “Esperamos que o mercado de energia ibérico continue a evoluir gradualmente durante a década de 2030, com o encerramento das centrais a carvão, o aumento da penetração das renováveis e as medidas para assegurar a geração de gás como backup“, explica o especialista.

A Moody´s espera uma pequena descida dos preços da energia até 2022 e refere que o crescimento das energias renováveis vai pressionar os valores no mercado, o que será compensado pela redução da capacidade das centrais a carvão que vão encerrando. Portugal fixou como meta atingir a neutralidade carbónica em 2050, ou seja, reduzir as emissões de dióxido de carbono e conseguir compensar as restantes, nomeadamente através de sumidouros, como as florestas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal e Espanha no bom caminho para cumprir meta de descarbonização

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião