Faltam 700 enfermeiros para colmatar 35 horas, diz Ordem

  • Lusa
  • 2 Agosto 2018

A redução do horário para as 35 horas para todos os enfermeiros deixou buracos por preencher nas escalas hospitalares. A Ordem dos Enfermeiros refere que ainda faltam 700 contratações.

A bastonária dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, afirmou hoje que falta contratar 700 enfermeiros, de acordo com o levantamento feito pela Ordem, para a aplicação das 35 horas nos hospitais de todo o país. De acordo com a bastonária, da contratação de dois mil profissionais anunciada pelo ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, “cerca de mil seriam enfermeiros”, um número insuficiente para fazer cumprir as 35 horas.

“Do levantamento que nós fizemos, caso a caso, estimamos que cerca de mil [vagas] foram para enfermeiros. Para as 35 horas no país todo a Ordem tinha uma conta de 1700 enfermeiros que seria preciso contratar, portanto ainda falta”, disse à Lusa Ana Rita Cavaco, à saída de uma reunião com o Conselho de Administração do Hospital de Cascais, em Lisboa. Ana Rita Cavaco afirmou ainda estar a aguardar uma “nova vaga de contratação” em setembro.

“Aquilo que o Ministério inicialmente disse é que em setembro haveria uma nova vaga de contratação. Estamos a aguardar para saber se isso vai acontecer porque, em setembro, também os hospitais retomam a sua produção original. Em setembro é que se vai notar mais a questão das 35 horas”, afirmou.

Sindicatos convidados a avaliar motivos da greve

A Ordem dos Enfermeiros “convidou todos os sindicatos a sentarem-se à mesa” para avaliar os motivos para avançar com a greve agendada para 13 a 17 de agosto, afirmou hoje a bastonária dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco.

“Como foi apenas convocada [a greve] por dois dos sindicatos e existem mais, o que nós fizemos foi convidar todos os sindicatos do setor a sentarem-se à mesa, na Ordem [dos Enfermeiros], na próxima segunda-feira”, disse a bastonária.

A greve entre os dias 13 e 17 de agosto sob a forma de “paralisação total e com abandono do local de trabalho” foi convocada pelo Sindicato Independente Profissionais de Enfermagem (SIPE) e pelo Sindicato dos Enfermeiros (SE), na sexta-feira. De acordo com a bastonária “há motivos para fazer greve”, mas é necessário perceber se as negociações com o Ministério da Saúde estão a falhar.

“Do que sabemos está a existir uma mesa conjunta negocial, que era uma coisa que a Ordem [dos Enfermeiros] pedia há muito tempo, com todos os sindicatos. Não sabemos se a negociação está a ser bem sucedida ou não. Queremos saber do ponto de vista do regulador se está, ou não, a haver avanços do ponto de vista da negociação da carreira e se todos os sindicatos têm vontade de ir para a greve”, afirmou.

De acordo com o comunicado divulgado pelas duas estruturas sindicais, os sindicatos protestam nomeadamente pela não conclusão de um acordo coletivo de trabalho que contemple, entre outras matérias, a categoria de enfermeiro especialista, e reivindicam que “o Estado deve aos enfermeiros 13 anos, 7 meses e 25 dias nas progressões”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Faltam 700 enfermeiros para colmatar 35 horas, diz Ordem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião