Bloomberg destaca vendas de edifícios de bancos em Lisboa

  • ECO
  • 3 Agosto 2018

Os edifícios da baixa lisboeta do BPI, do BCP e da Caixa Geral de Depósitos, os três à venda, estão no centro de uma reportagem da Bloomberg sobre os preços do imobiliário em Portugal.

A Caixa Geral de Depósitos, o BPI e o BCP estão os três a vender as suas sedes na baixa de Lisboa, e a revista de economia norte-americana Bloomberg aproveitou esta vaga de vendas imobiliárias na banca num só quarteirão para escrever sobre o “mercado para quem vende” (seller’s market) que se vive neste momento em Lisboa. Numa reportagem intitulada “Bancos estão a aproveitar boom imobiliário de Lisboa”, a Bloomberg refere especificamente estas três sedes na Rua do Ouro.

Questionado pelos jornalistas sobre a venda do BPI, o CEO do banco, Pablo Forero, afirmara que o banco decidira “aproveitar um momento muito interessante no mercado imobiliário”. Os seus edifícios na baixa foram vendidos por mais de 66 milhões de euros a um fundo alemão.

O edifício do BCP, na mesma rua, foi vendido por mais de 5.000 euros por metro quadrado. De acordo com a Square Asset Management, que falou à Bloomberg, esse preço é mais do que o dobro do que teria sido arrecadado se a venda tivesse acontecido há três anos. O edifício da Caixa Geral de Depósitos no bairro também deverá tomar o mesmo caminho.

“É verdade que a procura nunca foi mais forte”, disse ao jornal Ana Gomes, diretora da agência Cushman & Wakefield em Lisboa, e ligada à venda do edifício da Caixa. “Estamos num seller’s market, e tudo é possível”. O diretor da Vanguard Properties, José Cardoso Botelho, disse ainda à Bloomberg que “Lisboa está a atrair um novo tipo de investidor que quer comprar algo especial independentemente do preço”. A Vanguard Properties vendeu recentemente uma propriedade pelo valor recorde de 22.000 euros por metro quadrado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bloomberg destaca vendas de edifícios de bancos em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião