Hoje nas notícias: Marcelo, arte e cobranças coercivas

  • ECO
  • 3 Agosto 2018

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

O gigante de laticínios Lactogal decidiu antecipar salários aos produtores de oito meses para cobrir os efeitos associados à quebra de compras de leite de Espanha a Portugal. A Autoridade Tributária fez crescer a sua receita através de cobrança coerciva, obtida sobretudo através de impostos diretos. Já o Público escreve esta sexta-feira que o Estado mantém 200 obras de arte do ex-BPN fechadas num cobre sem saber, por enquanto, qual o seu destino.

Autoridade Tributária reforça cobranças coercivas

A receita do Estado através de cobrança coerciva, cresceu 6,5% nos primeiros seis meses do ano, quando comparado com o mesmo período do ano passado, escreve esta sexta-feira o Jornal de Negócios. A maior fatia em cobrança coerciva resultou de impostos diretos. Entre janeiro e junho o Estado cobrou de forma coerciva 436,3 milhões de euros, segundo a conta provisória divulgada em Diário da República.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso condicionado).

Veto de Marcelo foi assessorado por sócio de escritório que tem fundos imobiliários como clientes

O projeto de lei relativo ao exercício do direito de preferência por arrendatários, vetado por Marcelo esta quarta-feira à noite, teve como assessor jurídico Miguel Nogueira de Brito, sócio da MLGTS, que tem clientes com interesses no setor imobiliário, escreve esta sexta-feira o Jornal Económico. Questionado sobre um potencial conflito de interesses, o Presidente da República garante que se tratou de uma “decisão solitária” e de um “veto político”.

Leia a notícia completa no Jornal Económico (acesso condicionado).

Estado tem 200 obras de arte do ex-BPN fechadas num cofre

Do conjunto que sobrou do caso dos Miró, o Estado – através do veículo público Parvalorem, que gere três mil milhões de ativos tóxicos do antigo BPN – mantém cerca de 200 obras de arte do ex-BPN fechadas num cofre. Entre as obras estão quadros de Souza Cardoso, Veira da Silva e Paula Rego, escreve esta sexta-feira o jornal Público. O valor das obras chega aos 3,5 milhões mas ainda aguarda “clarificação” do Governo.

Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

Salários em Portugal são os que cresceram menos depois da troika

Os custos laborais em Portugal são mais baixos no conjunto dos países submetidos a programas de ajustamento depois da crise financeira, assegura um estudo do FMI. A notícia, publicada no Diário de Notícias, dá conta de que Grécia, Portugal, Irlanda e Espanha registaram declínio “baseado em salários mais baixos, em vez de ganhos de produtividade”. Em Portugal, os custos laborais terão caído cerca de 15% desde 2014 e, em 2017, voltaram a aumentar, mas menos de 2% em termos nominais.

Leia a notícia completa no Diário de Notícias (acesso livre).

Produtores pagos para desistir do negócio do leite

A Lactogal pagou oito meses de salários antecipados aos fornecedores para compensar a quebra das compras de leite de Espanha a Portugal. De acordo com o Jornal de Notícias, cerca de 100 produtores terão aceitado os salários. A Lactogal, composta pela Agros, Lacticoop e Proleite/Mimosa, propôs-se reduzir em 60 milhões de litros o leite recebido e pagou com antecipação aos produtores para evitar descidas de preço mas, esta semana, terá decidido pagar menos um cêntimo por litro.

Leia a notícia no Jornal de Notícias (exclusivo edição impressa).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Marcelo, arte e cobranças coercivas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião