PSD responsabiliza Governo por situação de “falência operacional” da CP

  • Lusa
  • 6 Agosto 2018

Os sociais-democratas exigem "uma explicação aos portugueses" pela nova redução da oferta por parte da CP.

O PSD responsabilizou, este domingo, o Governo pelo estado de “falência operacional” da CP, após o anúncio pela empresa da redução do número de comboios em diversas linhas do país, “por falta de material circulante e respetiva manutenção”.

Em declarações à Lusa, o deputado social-democrata Carlos Silva sustentou que “o Governo deve uma explicação aos portugueses” por mais esta redução de oferta da CP que os penaliza, “tal como tem acontecido sempre com as reduções regulares da oferta de transportes públicos desde que este Governo entrou em funções, nomeadamente no caso da Carris, Metro e transportes fluviais do Tejo”.

“Tomámos conhecimento de que, perante o aumento da procura, motivado pelo acréscimo de turismo e período de férias, para além de a oferta não ter acompanhado esse aumento da procura, ainda se registou a diminuição e até mesmo a supressão de comboios”, observou Carlos Silva, coordenador dos deputados do PSD na área dos transportes, na Comissão de Economia e Obras Públicas.

“Tomámos ainda conhecimento de que a deficiente manutenção ou mesmo a total ausência desta, associada à falta de comboios, tem levado a que a CP já proceda a reparações pontuais, nomeadamente de ares condicionados, em plena circulação dos comboios, andando os utentes entre Lisboa e Porto em total desconforto e havendo mesmo registos de indisposições por parte de utentes e funcionários”, prosseguiu.

Neste momento, defendem os social-democratas, a CP é “uma empresa que não cumpre na íntegra a sua obrigação de serviço público e, nessa circunstância, uma empresa que não consegue efetuar a devida manutenção dos seus principais ativos e, simultaneamente, anula receita por falta desses ativos, só pode ser considerada uma empresa em falência operacional”.

A CP não cumpre na íntegra a sua obrigação de serviço público, não consegue efetuar a devida manutenção dos seus principais ativos (…). Só pode ser considerada uma empresa em falência operacional.

Carlos Silva

Deputado do PSD

“Por mais que o senhor ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, se desculpe por trás de responsabilidades de governos anteriores, é preciso lembrá-lo de que este Governo está em funções há quase três anos e tem permanentemente revelado a mais trágica incompetência na gestão dos serviços públicos, que sufoca com as suas cativações, e, ao mesmo tempo, a qualidade do serviço [prestado] aos utentes vai colapsando como nunca antes se tinha visto”, argumentou Carlos Silva.

“A opção populista do Governo socialista por simular a melhoria do rendimento disponível dos portugueses tem como outro face da mesma moeda a imposição de uma austeridade dissimulada no aumento dos impostos indiretos e no subfinanciamento e degradação dos serviços públicos” – uma opção que “está a ter resultados desastrosos, principalmente em setores tão cruciais para as nossas vidas como os transportes”, frisou o deputado social-democrata.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD responsabiliza Governo por situação de “falência operacional” da CP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião